“Não estou dizendo que eu sou o Batman, só estou dizendo que nunca viram eu e o Batman ao mesmo tempo no mesmo lugar”.

Hoje vou contar para vocês a história do dia em que eu salvei Gotham – e o Robin.

Era uma noite de quinta-feira e, de repente, me vi na mansão dos Wayne, tocando piano e sendo alertado pelo Alfred sobre algo estranho acontecendo. Rapidamente, desci para a sala secreta, vesti minha armadura e me tornei o Batman. Escolhi minhas armas e equipamentos, desci para a BatCaverna e entrei no meu Batmóvel.

2 - Selo de Ouro

A aventura não foi fácil, e meu objetivo era salvar o Robin das garras dos vilões da cidade. Não vou contar tudo o que acontece nesta caminhada, que é rápida, mas eletrizante e imersiva. Foi só ao ver os créditos de Batman Arkham VR passarem na tela que voltei à realidade, tirei os óculos do PlayStation VR e lembrei que era só um jogo.

E vocês conferem a análise do Meu PS4 sobre ele abaixo:

Santos gráficos, Batman!

Primeiro, vamos deixar claro: Batman Arkham VR é um jogo bem curto, com uma campanha que irá durar, no máximo, umas duas horas. Por isso, custa até mais em conta do que os jogos mais robustos do PlayStation VR, saindo por apenas US$ 19 na PSN americana. Mesmo preço que o Until Dawn, mas bem mais em conta que VR Worlds, Rigs e Robinson, por exemplo.

Portanto, é importante analisar Batman Arkham VR pelo que ele é: uma espécie de introdução à realidade virtual. E fazê-la com o Homem-Morcego foi um baita acerto. A sensação da descer à BatCaverna, o momento de vestir a armadura e “se ver” como Batman no espelho e utilizar seu arsenal para diversas ações é ótimo.

Mas o que mais impressiona no jogo são seus gráficos. Conforme dito na análise do PlayStation VR, os games na realidade virtual do óculos têm uma qualidade menor do que o que os gamers estão acostumados no PlayStation 4. Mas em Batman Arkham VR, o nível de detalhamento de personagens e cenários é impressionante.

batman_vr_analise

A cidade de Gotham está mais linda do que nunca, a BatCaverna é estonteante e as interações entre você e outros personagens parecem cutscenes de belos jogos do PS4. Visualmente, esta pode ser a melhor experiência do PlayStation VR no mercado. Dentre as que tive a oportunidade de jogar, certamente foi a que mais me impressionou.

OBS: Os screenshots não fazem justiça à qualidade dos gráficos ingame, já que a resolução das imagens é menor do que em capturas do PS4, por exemplo.

Pouco “Pow!”, “Soc!” e “Ouch!”

Mas a jogabilidade é uma ducha de água fria para quem espera um jogo como os de Batman no console “tradicional”. Esqueça pancadaria e ação, como nos games anteriores, na série de TV antiga e até nos cinemas. Batman Arkham VR é muito mais um jogo de investigação, como o Criminal Case do Facebook, do que uma aventura de super-herói.

Ele é, basicamente, um point and click. É claro, com todos os gadgets do Homem-Morcego ao seu dispor, com os vilões tradicionais como Pinguim e Coringa aparecendo e até alguns poucos momentos de “combate”. Mas nada de “Pow!”, “Soc!” e “Ouch!” como muitos fãs de Batman já estão acostumados há décadas.

Isso acaba afetando um pouco a imersão do jogo, que é muito boa, mas poderia ser melhor se houvesse mais liberdade de movimentação e ação no game. Robinson: The Journey pode ser um exemplo de boa jogabilidade em termos de movimentos, livres, pelo cenário; apesar de não ter, também, muita ação.

batman_vr_analise_2

Como falado anteriormente, porém, o sentimento é de que Batman Arkham VR é somente um primeiro passo de algo maior que está por vir. Há games point and click que são bem legais e mais desafiadores, o que pode ser uma direção interessante para o VR. E também jogos com ação em primeira pessoa, que parecem ser o que muita gente aguarda na realidade virtual.

Muito recomendado para os brasileiros

Se você comprou um PlayStation VR e não tem uma PSN americana, tem poucas opções para comprar jogos no Brasil. Batman Arkham VR é uma delas. Ele é vendido até em mídia física, e em grandes portais do e-commerce nacional. Custa cerca de R$ 100, um preço bastante justo, contando até com legendas em português.

Ou seja, é muito recomendado. E mesmo para quem tem fácil acesso a outros jogos do óculos de realidade virtual da Sony, Batman Arkham VR é uma experiência interessante de vivenciar – especialmente se você curte o personagem. É curtinho, sim, e poderia ter um pouco mais de ação, mas tem uma história bacana, momentos de investigação atrativos e gráficos ótimos.

Nestes primeiros meses de PlayStation VR, é preciso ter noção de que muitos jogos não irão oferecer tanto quanto os grandes lançamentos de PlayStation 4. E nesta realidade, o Batman Arkham VR é uma ótima compra. Assim como Until Dawn Rush of Blood, outro jogo curtinho, baratinho (US$ 20) e que é uma baita experiência – sobre a qual falaremos em breve aqui.