EA Sports UFC 3: Vale a pena?

Conor McGregor é a capa perfeita para o jogo.

EA Sports UFC 3 é o jogo perfeito para ser promovido pelo irlandês Conor McGregor. Ele é parecido com o irlandês em alguns aspectos. Primeiro: é campeão, mas passa longe de ser unanimidade. Segundo: tem um ótimo marketing. Terceiro: evoluiu, mesmo que de leve, em relação aos últimos anos.

A jogabilidade, com o novo sistema de movimentos, está mais próxima do real. O visual dos lutadores e dos ginásios está com aquele padrão da série. Os modos de jogo são divertidos e variados. Ou seja, EA Sports UFC 3 é o melhor da franquia até agora, mesmo ainda com alguns pontos a serem melhorados.

Maior de Todos os Tempos

A introdução de EA Sports UFC 3, toda focada em Conor McGregor e sua evolução no maior evento de MMA do mundo, já mostra qual é o grande foco do novo game: o seu repaginado Modo Carreira. Ele permite que o jogador controle um lutador existente ou então crie um novo em busca de se tornarem o maior de todos os tempos.

Criar lutador no UFC é o maior destaque do jogo (Foto: Reprodução/Thiago Barros)​

A grande questão é que isso é muito mais legal na teoria do que na prática. Criar e evoluir um lutador é bacana e há pontos interessantes, como interações nas “redes sociais”, que aparecem no jogo. É possível fazer camps de uma a quatro semanas, alternando entre os treinamentos e promoção da luta, com ações que rendem mais popularidade.

Só que nem tudo você, de fato, faz. Por exemplo: nos treinos que dão atributos, você não treina de fato. Só simula e ganha os pontos. Nas atividades de marketing, você não vai ao restaurante para o Meet and Greet. É algo comum em outros jogos, como o NBA 2K, mas, ainda assim, é um pouco decepcionante. Poderia haver, pelo menos, cutscenes.

Os treinos que são possíveis de fazer, de fato, são bem legais. É possível fazer atividades que lhe darão novas ações (golpes) e habilidades (buffs para determinados atributos). Um outro ponto bem bacana é que você começa em uma divisão menor, passa pelo TUF, e só então assina seu contrato com o UFC.

Depois disso, tem que ir provando seu valor. Cada contrato tem apenas quatro a cinco lutas e aí é preciso ir se dando bem para seguir subindo no ranking, ganhando novos contratos e desbloqueando novas academias para ganhar mais movimentos e atributos. Além disso, há uma lista de feitos que, caso você complete alguns, pode se tornar o maior de todos.

]Você luta até chegar ao topo da sua divisão (Foto: Reprodução/Thiago Barros)

É um modo interessante, e o principal destaque do jogo, porém poderia ter uma história um pouco mais elaborada, como FIFA 18 e Madden NFL 18, que são da própria EA. Talvez, as mudanças feitas em EA Sports UFC 3 sejam uma abertura de caminho para um futuro “EA Sports UFC 4 “(mais ou menos como NBA Live 18 dá a entender que melhorará no 19).

Jab, direto, cruzado!

O Modo Carreira é aquele direto potente. Mas EA Sports UFC 3 é uma sequência de golpes bem aplicada pela EA. Até chegar a ele, tem muito jab, direto e gancho para aplicar. Há um grande número de modos de jogo para o gamer se divertir. Luta Rápida, Torneios, Eventos, Modo Nocaute, Ultimate Team, Treinos e, em breve, até Eventos Ao Vivo…

Tudo isso com uma jogabilidade que evolui em relação ao seu antecessor, apesar de não ser ainda perfeita. Os golpes no tronco continuam um pouco mais fortes do que deveriam, as trocas de socos e chutes, em alguns momentos, acabam não sendo tão reais, quando um “cancela o outro”, e ainda existem alguns bugs esquisitos.

Ainda assim, o EA Sports UFC 3 tem uma jogabilidade melhor do que o seu antecessor, por conta do novo sistema de movimentos. O Real Player Motion faz, realmente, a diferença. A tecnologia faz com que as esquivas e a rotação no octógono sejam fundamentais, e deixam a apresentação dos lutadores excelente.

​Anderson Silva x Vitor Belfort no EA SPORTS UFC 3 (Foto: Reprodução/Thiago Barros)

Não é só o gráfico do rosto, que é perfeito, como também a ambientação dos ginásios, os movimentos de entrada nas arenas, a pose dentro do octógono enquanto Bruce Buffer faz sua introdução. Sem contar as trilhas sonoras. E, felizmente, a EA abandonou a dublagem péssima do anterior. UFC 3 é todo narrado em inglês mesmo, com legendas em português.

Por pontos

EA Sports UFC 2 recebeu um selo “Espere Uma Promoção” na avaliação. Nesse ano, não. EA Sports UFC 3 evoluiu. Ainda não é perfeito. Segue sendo uma “vitória por pontos”, não um nocaute daqueles. A melhoria foi tímida, é verdade, mas só a tecnologia de movimento implementada já deu um “up” interessante.

O jogo custa R$ 209,90 na PlayStation Store, preço justo para um lançamento como esse, até porque, ao contrário de FIFA e Madden, por exemplo, ele não é anual. EA Sports UFC 2, por exemplo, foi lançado em março de 2016. Seu sucessor só saiu agora, no começo de 2018. Quase dois anos de diferença.

Ou seja, vale. EA Sports UFC 3 é um jogo recomendado. Pelos gráficos no padrão da série, a jogabilidade melhorada, o áudio correto em inglês e os vários modos de jogo, que garantem uma diversão bacana. Seja online ou offline. Se você é fã de esportes, luta e artes marciais, vale dar uma olhada.

Avaliação
Visual
9
Jogabilidade
8
Sonoplastia
8
Diversão
8
Online
8