O saudosismo é um elemento traiçoeiro. Sentir falta de algo não significa, necessariamente, que tal coisa será boa ao revivê-la. Apostar em mecânicas antigas, no caso do videogame, é algo arriscado. Trata-se de tentar resgatar momentos singelos e únicos que tornam a experiência mais exigida a fim de promover a satisfação.

É isso que Earthlock Festiva of Magic realiza. Um RPG “raiz”, baseado em turnos, com a formação de parties específicas e habilidades pontuais. Um título que revive, em termos, os primeiros jogos da franquia Final Fantasy. Uma jogabilidade antiga e muito exigente funciona para os dias atuais? Felizmente, para a Earthlock, a resposta é positiva.

A narrativa clichê

Este é o principal ponto que Earthlock falha ao resgatar os bons momentos do passado. Sua história não é envolvente. Não se trata de ser um roteiro ruim, mas é previsível. Na verdade, o próprio jogo te mostra quem são os vilões e os mocinhos logo de cara. Sem reviravoltas, sem surpresas. É uma história simples dp “bem vs. mal”.

Não somente a narrativa é rasa, como também os personagens. O fato dos diálogos não possuírem vozes contribui um pouco, contudo, a superficialidade de cada um dos protagonistas é notória. O jogador não fica interessado em suas personalidades, nas suas histórias, o jogador apenas os vê como bonecos controláveis para cumprir o propósito do game.

Diálogos e uma narrativa superficiais se apresentam no game. Fonte: captura de tela.

Talvez isso não seja um ponto que incomode a todos os jogadores, mas para aqueles que esperam uma narrativa à la Final Fantasy VII, por exemplo, irão se frustrar amargamente.

Entretanto, a finalidade do game é promover uma experiência focada na jogabilidade. Resgatar momentos, certos? E é impressionante como o game cumpre bem tal missão.

RPG raiz e acessível

A frase do subtítulo é a melhor que exemplifica Earthlock Festival of Magic. Trata-se de um RPG raiz, porque é um jogo baseado em turnos com personagens de habilidades específicas, e acessível pois sua dificuldade não é elevada. Atenção! Acessível não é o mesmo que fácil, pois o jogo te coloca em situações complicadas até demais.

Monte sua estratégia vencedora. Fonte: captura de tela.

Em Earthlock, as mecânicas e jogabilidade, a apesar de serem semelhantes aos antigos, ainda assim são mais acessíveis pois oferecem noções básicas de melhorias e inimigos não tão fortes. São cerca de 15 chefões ao longo de todo o jogo, e num RPG de mundo aberto, isso pode ser considerado o mínimo.

Logo, enfrentar as hordas de inimigos não se torna um fardo, mas um aprendizado leve e agradável. Porém, como foi dito, ser acessível não é o mesmo que fácil e nos chefões, tudo se tornava mais desafiador. Muitas vezes, para derrotar o boss, é preciso uma certa combinação de habilidades e abusar do uso de poções.

Acessível não significa ser fácil. Fonte: captura de tela.

O jogador tem a disposição seis personagens, sendo que os dois últimos aparecem mais no meio para o final do título. Cada um com suas habilidades: magos, ataques corpóreos ou a distância. Nos combates, é possível apenas entrar com 4.

A diversidade do jogo favorece um gameplay mais divertido. Os cenários variam e os monstros também, sem contar nos chefões secretos que são uma peleja. Por fim, ainda existe, nesta edição re-lançada para o PS4, uma espécie de dungeons com chefes duplicados em cada sala.

Não tem fim

Earthlock apresenta-se, como todo RPG de respeito, em um mundo aberto diante de diversas oportunidades a serem feitas. Curiosamente, as missões secundárias são poucas. Restritas a coletar flores ou insetos, ou então matar determinado monstro. Em contrapartida, a desenvolvedora ofereceu diversos recursos que gastarão o seu tempo.

Em primeiro lugar, o jogador precisa “cuidar” de uma horta. Quase como um Harvest Moon, porém mais simples. É preciso plantar sementes, regar e coletar. Porque? Porque, sem o fruto, você irá perder e morrer. A colheita oferece de matéria prima para a produção de armamentos, munição e poções. É preciso uma boa quantidade para não passar necessidade.

Harvest Moon? Fonte: captura de tela.

Em segundo lugar, existem tesouros escondidos ao longo de todo o mapa. De certo modo, também são essenciais.

Por fim, o chamado grind. Em determinados momentos, será preciso que seus heróis estejam mais experientes. Portanto, é preciso aumentar o nível, descobrir novas estratégias, combinar a party de maneira diferente. Então os diversos monstros são fonte de experiência.

Então é bom?

Sim.  A Snowcastle Games demonstrou com muita habilidade a como resgatar mecânicas e jogabilidades que, apesar de terem sua era de ouro há tempos, ainda conseguem retornar em bons investimentos diante da produção exímia dos desenvolvedores.

Existem alguns bugs, como ficar preso em lugares específicos ou um monstro que é cortado pela tela do jogo. Porém, foram momentos pontuais.

Por enquanto, o título não está disponível linguagem brasileira. Contudo, a própria desenvolvedora confirmou ao Meu PS4 que o game será localizado para o Brasil em, aproximadamente, 2 meses.

Earthlock é um jogo simples, mas divertido. Focado em um nicho: amantes de RPG em turno. Se você quer descobrir se gosta deste gênero, então é uma boa aposta. Para os veteranos, um jogo com diversão garantida!

Avaliação
Geral
8.0