Fortnite: Vale a pena?

Fortnite se mostrou uma grata surpresa neste ano de 2017. Acompanha análise completa.

Fortnite é um verdadeiro mix de elementos. Imagine aplicar as melhores características de construções de Minecraft, com um enredo cômico similar a alguns filmes da Marvel, momentos de ação de The Walking Dead e uma jogabilidade em terceira pessoa, tudo na mesma experiência. Fortnite apresenta isso como produto final e o resultado é surpreendentemente, divertido.

O forte da proposta é conquistar vários tipos de jogadores por sua mistura de estilos. Elementos de RPG, ação-aventura, estratégia, construção e muito mais. Uma grata surpresa em 2017.

O comandante

O jogador assume o papel do Comandante, o responsável pela resistência dos humanos perante os eventos sobrenaturais que surgiram no planeta.

Em um enredo simplista e engraçado, o título mostra a necessidade de um grande líder para que os combatentes sejam organizados com precisão. Com legendas em nosso idioma, a narrativa é de fácil acompanhamento e pitoresca.

Personagens carismáticos e uma história divertida! Fonte: captura de tela.

Entretanto, não espere um enredo aprofundado, cheio de conexões ou tramoias. É muito descompromissado e distante da seriedade.

Sua responsabilidade é recrutar sobreviventes para aumentar a fortaleza, descobrir novos heróis para enfrentar as missões, investir em pesquisa e habilidades de melhorias, adquirir planos de armas, armadilhas e construções.

Não se perca

São várias as funções possíveis. Não somente as já citadas acima, como também é preciso melhorar as qualificações dos soldados, recrutas e heróis, bem como de suas armas. É bacana ser o responsável por cada evolução de sua conta, porém, no início, é um pouco assustador a quantidade de coisas a serem feitas.

Em alguns momentos é comum ficar em dúvidas em relação as melhorias. Alguns bons minutos devem ser investidos na evolução das habilidades.

São mais de 200 habilidades. Cada uma com sua especificidade. Assustador, não? Fonte: captura de tela.

Ainda bem que o jogo não larga o jogador ao relento e o deixa sobreviver a essa dura maré de informações sozinho. As missões são acompanhadas de recomendações que, durante o progresso, mostram o que deve ser acessado e os benefícios de tais ações ou melhorias. Com isso, o aprendizado torna-se fluido e interessante.

Bob, o construtor

Outro ponto consolidado de Fortnite é sua característica de construção. Tudo, eu disse tudo, serve como matéria prima para que o jogador construa suas fortalezas para se defender das hordas. Você precisa de parafusos? Destrua uma estante. Você precisa de madeira? Destrua as árvores. Você precisa de ferragens? Destrua os carros. Tudo o que está presente no cenário serve como fonte de aquisição de recursos.

E com isso, você torna-se Bob, o construtor. Através dos recursos adquiridos, basta apenas se valer da sua criatividade para levantar o castelo dos sonhos, cheio de armadilhas, labirintos e muito mais. O sistema de construção é algo intuitivo que, no início pode parecer confuso, mas é preciso de apenas algumas partidas para se habituar.

A partir de então, com os recursos conquistados, você pode construir munição, armas das mais variadas, paredes, pisos, tetos, escadas e muito mais.

Você não está sozinho

Tratando-se sobre as missões, elas são categorizadas em níveis diferentes, tanto de dificuldade como de recomendado para os jogadores. E acreditem, são muitas e muitas fases. Cada uma com um cenário diferenciado, com sidequests diferentes, com monstros variados. É bem divertido entrar em uma sessão e ser surpreendido por um cenário vasto de casas abandonadas ou estar em um campo aberto de uma fazenda.

E eis então o foco principal do jogo: a experiência compartilhada. Fortnite é mais uma oferta que oferece uma experiência cooperativa online de qualidade.

Em cada fase é possível jogar com até três companheiros e, cada um deles, possui a liberdade de escolher seus heróis, bem como as modificações e armas preferidas. E pode ter certeza de algo: você precisará do máximo de ajuda possível. Tentar vencê-los sozinho pode ser um tanto quanto frustrante.

Até 3 companheiros (outros jogadores) podem acompanhar você nas missões. Fonte: captura de tela.

Ponto positivo para os servidores. Durante os testes, fui desconectado somente uma vez. Em todas as outras vezes, joguei com companheiros diversos e não houve qualquer tipo de problema ou dificuldade para encontrar sessões. É interessante notar que, mesmo o jogo estando na fase de acesso antecipado, já encontra-se habitado por muitos jogadores.

Parece desenho

Os desenhos de níveis favorecem o clima e a construção do cenário cômico pós-apocalíptico. Essa característica faz com que o jogo tenha uma identidade própria, deixando com que toda a temática zumbi engraçada e não dramática, o que já temos visto demasiadamente.

As cores vivas, as explosões, os traços geométricos, as brincadeiras de cores entre o cinza de morte e o vermelho, azul, verde, tornam o visual algo apreciativo e nada sobrecarregado. Por muitas vezes você irá se divertir só de ver o misto de cores pulando na tela ao lançar um foguete no meio de uma imensa horda de zumbis.

Uma contribuição nem tanto incisiva, mas faz seu papel, é a sonoplastia. De modo geral, o desempenho é aceitável, porém não causa diferenças a ponto de serem memoráveis.

Pela pegada de Fortnite, difícil seria trabalhar com uma composição mais elaborada. Contudo, sente-se falta de músicas mais empolgantes durante os momentos de ação. Em geral, ouve-se apenas os sons de tiros, explosões, bombas, e gemidos dos mortos-vivos.

O ‘problema’

O defeito principal não trata-se de jogo em si, mas da forma que é comercializado. O jogador seleciona a conta que deseja comprar o acesso ao game, sendo que tal conta torna-se a única capaz de acessar ou game. Ou seja, se você tem um irmão na mesma casa e ele tem um usuário diferente no PS4, ele não poderá jogar Fortnite na sua própria conta. Caso ele queira, será preciso realizar uma nova compra de um novo acesso.

Na maioria dos jogos adquiridos na PSN, basta apenas a conta principal adquirir o game e todos os usuários dos PS4 já podem acessar o aplicativo. Porém, em Fortnite, cada conta é associada a um email exclusivo, ou seja, para cada usuário é preciso um acesso diferente.

Como citado, o problema não trata-se da qualidade do jogo, mas sim, nesta forma de aquisição diferente. Se cada pessoa quiser jogar em uma conta própria, é preciso comprar um acesso individual. Claro que sempre existe a possibilidade de todos jogarem na mesma conta, porém, cabeças diferentes pensam diferente e, as melhorias que um queira fazer, pode não ser as mesmas que o outro queira também.

Aliste-se para o combate!

É difícil categorizar Fortnite em um gênero específico. O título, às vezes, parece um MMORPG, em outros momentos, um jogo de ação frenético. Os mapas, variados a cada fase, apresentam novas oportunidades e fazem da experiência ainda mais enriquecedora. Cada região é composta por múltiplos níveis que podem ser jogados quantas vezes o jogador precisar ou decidir.

Como o título é focado na jogatina online, updates e atualizações serão constantes. Adições de super-heróis, novas fases, eventos especiais, a desenvolvedora planeja um futuro longínquo para Fortnite além de sua enorme extensão inicial.

A desenvolvedora já anunciou que o título será free-to-play em algum momento de 2018, ou seja, todos terão direito a vivenciar esta aventura de forma gratuita. Porém, aqueles que desejam o acesso antecipado, o game custa 122,90 na PlayStation Store.

AVALIAÇÃO FINAL
Visual
8
Enredo
8
Jogabilidade
9
Som
7
Visual
8
COMPARTILHAR