Você assistiu ao novo filme da franquia Mad Max e ficou maravilhado com aquele mundo devastado? Ficou louco de vontade de pilotar um “V8” no deserto australiano, visitar a “Vila Gasolina” e a “Fazenda de Balas”? Esta é sua chance!

Mad Max é um game desenvolvido pela Avalanche Studios, em parceria com a Warner Games, que tenta levar o jogador a um mundo vasto e repleto de exploração em terceira pessoa. O título também carrega o peso, não justo, de ser a surpresa do ano, assim como ocorreu com Terra-Média: Sombras de Mordor, mesmo que nunca tenha clamado pelo posto.

Será que a Avalanche Studios conseguiu trazer todo seu know-how conquistado na franquia Just Cause para esta nova IP?

Prefácio

O enredo se passa no que um dia foi a Austrália e, assim como nos filmes, encontra-se totalmente desolada e tomada por vastidões desérticas e imensas planícies. Neste cenário pós-fim-do-mundo, nos deparamos com Max, um misterioso barbudo que acabara de ser atacado por uma das muitas gangues que sobrevivem neste hostil habitat.

MAD MAX GALERIA 4

Max, sem nada a perder, parte em busca de vingança contra aqueles que surripiaram seu possante V8 e terá como companhia um estranho ajudante, que em um primeiro momento não parece ser uma pessoa muito confiável, mas que ao longo da jornada se mostra um fiel escudeiro.

Um dos principais atrativos do jogo é justamente a chance de viver uma experiência pós-apocalíptica, totalmente inspirada na temática dos filmes.

Apesar de ser ambientado no mesmo universo, o jogo não segue o roteiro dos filmes antigos e tão pouco do novo, apresentando ao jogador uma nova visão da história, sem deixar de ser cruel e impiedoso como o original.

Visual

A “beleza apocalíptica” de Mad Max não deixa a desejar, mesmo que o game falhe em alguns aspectos como quedas no framerate, bugs bizarros de colisão e personagens sendo misteriosamente arremessados, o game é bastante competente no quesito visual.

O passar dos dias é muito bonito e cria toda uma sensação de transcorrer entre períodos de dia e noite. Contemplar o entardecer em Mad Max é recompensador. Dunas de areias, paisagens desertificadas, canyons ou aquilo que ainda sobrou do mundo, são muito bem retratados.

Outro ponto de destaque são as cutscenes que exploram com exatidão a brutalidade do enredo e as inspirações cinematográficas que deram origem ao game.

Jogabilidade

A mecânica de jogo de Mad Max lembram muito os demais games da WB (Batman: Arkham e Sombras de Mordor), principalmente na movimentação, na física dos golpes e nos combates corpo a corpo. Em pouco tempo, o jogador consegue dominar os principais golpes, as defesas e as esquivas. Além disso, ao liberar o modo “Fúria” Max produz golpes e combos muito plásticos que proporcionam belas cenas de violência e ossos quebrados.

MAD MAX LUTA

O ponto negativo fica pela baixa dificuldade, pois mesmo enfrentando vários inimigos de uma só vez, o jogador consegue “limpar” o cenário sem maiores transtornos. Além disso, o mapeamento de botões do DualShock 4 pode gerar um pouco de estranheza no começo. Pulos, ação, corrida e tiros foram inseridos em lugares diferentes daquilo que estamos acostumados a ver em outros jogos.

O grande ponto alto da jogabilidade do game são os combate sobre rodas, que apresentam mecânicas um pouco mais desafiadoras e complexas de dominarem.

Ao dirigir o seu “Magnum Opus”, Max encontra vários comboios de inimigos pelo caminho e aprender o tempo certo de atacar com o carro é crucial para sua sobrevivência no jogo. No começo, apenas batidas laterais e tiros de escopeta nos tanques de combustíveis resolvem, mas com a evolução do personagem e do jogo, aparecem inimigos mais fortes e com carros blindados, exigindo do jogador um pouco mais de estratégia no volante.

Personalização

No jogo, há muitas opções de personalizações e evolução, tanto do Magnum Opus, quanto do Max, que torna sua experiência de jogo mais imersiva e interessante. O sistema de evolução se dá através da coleta de sucatas pelos cenários, portanto vaculhar todo o cenário em busca de itens é preponderante para a progressão e aprimoramento das habilidades.

Mad Max Personalização

Além de turbinar e construir carros, você pode customizar o próprio Max com alguns acessórios e cortes de barba e cabelo, além ainda de “comprar golpes” para o personagem que vão lhe ajudar a derrotar com mais facilidade os “Garotos de Guerra”.

Tudo isso é claro, ao custo de algumas sucatas. Também se faz necessário realizar algumas missões secundárias para uma rápida conquista de itens.

Mad Max Personalização Carro

Exploração e busca por colecionáveis

Uma das principais atividades de Mad Max está relacionada a exploração dos cenários. Para sobreviver e progredir no gameplay é fundamental que o jogador vasculhe cada canto em busca de itens.

MAD MAX GALERIA 9

Além da sucata, é necessário encontrar água, utilizada para recuperar energia e gasolina para locomoção dos carros. Mesmo que o combustível não seja escasso, é prudente ficar atento aos galões de gasolina que também são úteis para causar explosões.

Max também pode encontrar itens colecionáveis, em sua maioria fotografias de pessoas aleatórias, que servem somente para auxiliar no enredo e nas lembranças do personagem.

Repetitividade

É neste quesito que o game derrapa e perde um pouco da qualidade. Não importa quantos cenários novos você desbloqueie, ou por quanto tempo você passeie na Terra Desolada: Você sempre irá fazer as mesmas coisas.

Derrubar espantalhos, desmantelar acampamentos, enfrentar inimigos na estrada e bater em “Garotos de Guerra” são tudo o que você faz durante todo o gameplay. Isso torna o jogo maçante e repetitivo, fazendo com que você deixe de fazer missões secundarias, pois quer terminar logo a campanha.

Isso pode não importar para muitos jogadores que mesmo assim conseguem se divertir o tempo todo com o jogo, mas para outros pode tornar, principalmente as últimas horas de jogo, um calvário, desejando ardentemente enfrentar o temível “Lorde Scrotus” o mais rápido possível para concluir a história.

Uma pena, pois com uma temática tão promissora e impressionante, o jogo poderia ter sido melhor trabalhado e dado mais possibilidades de jogo, que é o que se espera de um cenário em mundo aberto.

Considerações Finais

Muita ação, explosões, um cenário lindo e gameplay repetitivo. Para muitos isso é o bastante, mas com uma gama tão grande de possibilidades que se encontra no universo Mad Max, os desenvolvedores poderiam ter explorado algumas outras vertentes ou mesmo personagens.

Entretanto, não se pode negar que o jogo cumpre muito bem seu papel, mesmo que tenha pecado em alguns pontos.

Controlar Max, dirigir Magnus Opus junto com o seu fiel escudeiro Chumbucket é uma experiência interessante, mas em um mercado tão competitivo e jogos com valores pouco atrativos, Mad Max acaba disputando atenção com outras boas possibilidades e pode ser que fique em segundo plano no interesse dos jogadores.

Caso tenham oportunidade, “testemunhem” o mundo pós-apocalíptico de Mad Max, pois terão uma boa experiência de jogo.

Dica: Caso você tenha interesse em adquirir o game, nós recomendamos a versão brasileira que acompanha o Blu-Ray do filme Mad Max 2: A Caçada Continua 🙂

2 - Selo de Ouro