PES 2016 nos trouxe sua demo desde o último dia 13 de Agosto e nos dedicamos a trazer para vocês um diagnóstico completo de todos aspectos presentes nesta versão. Para garantir que a avaliação seja a mais abrangente possível, juntamos 5 jogadores (o autor deste artigo e mais 4 voluntários) que jogam o Pro Evolution Soccer desde sua primeira versão, que foi o International Super Star Soccer (Super NIntendo). Todos eles juntos jogaram cerca de 150 partidas até o momento, quantidade que consideramos razoável para uma avaliação criteriosa.

Confira o trailer do PES 2016 antes de ler nossa avaliação:

Configurações da partida

No tempo da partida, agora está disponível a duração de 7 minutos. A emoção do jogador (que já estava presente no PES 2015) influência diretamente na jogabilidade. Testamos várias partidas com esta opção ligada e desligada e os resultados foram surpreendentes. Com a emoção ligada, ao sofrer um gol, seu time desanima e diminui o rendimento, assim como o oposto. Já com a opção desligada, a partida fica mais equilibrada, permitindo buscar uma virada no placar de forma mais fácil.

Configurações de dados pessoais

Nesta versão, novamente podemos alterar o tipo de passe em profundidade (botão triângulo), no qual você pode usar no modo Básico ou Avançado. Esta opção estava presente no PES 2014 e ausente no PES 2015. No Auxílio de Passe, no PES 2015 tínhamos a opção de passe manual e 4 níveis de assistência, já no PES 2016, temos 3 níveis de assistência. Testamos todos os níveis e notamos que, quanto menor o nível, mais eficiente se torna o passe em profundidade, porém não é muito adequado para quem gosta de jogar defensivamente, pois se perde precisão de passes na sua metade do campo, o que pode acarretar em perda da bola e um contra-ataque fatal.

Plano de jogo

Os menus estão bastante fluídos, principalmente na troca de jogadores. A melhora na usabilidade foi uma mudança muito bem vinda: muitas pessoas tinham dificuldades para encontrar algumas opções do Plano de Jogo, principalmente a edição de posição.

No PES 2016, basta segurar o botão X no jogador desejado e movimentá-lo. Enquanto no PES 2014 (e versões anteriores) era possível jogar apenas com uma tática, no PES 2016 sempre contará com 3 táticas: saída de bola, com posse de bola e sem posse de bola. No PES 2015, esta escolha era opcional.

PES 2016 - Plano de Jogo

Gráficos

Graficamente, tivemos mudança significativa no rostos dos jogadores (os traços estão mais suaves), no efeito de iluminação (está mais natural), na chuva (agora realmente fica nítido que a partida estão rolando com tempo chuvoso) e a textura da grama.

Neymar PES 2016

Som

A demo não tem narração nem músicas, então só poderemos avaliá-las na versão completa. Em relação aos efeitos sonoros, notamos melhorias: é possível escutar os gritos dos jogadores ao sofrerem faltas ou para pedir um passe, assim como as chamadas do locutor do estádio (já escutamos frases como “Atenção, venda de bebidas alcoólicas apenas nas áreas demarcadas”).

Jogabilidade/resposta aos comandos

Comparativamente às versões que a Konami começou a trabalhar com a nova engine (além do PES 2016, tivemos PES 2014 e PES 2015), sem dúvida a jogabilidade do PES 2016 é a mais fluída das três versões. A resposta aos comandos é praticamente imediata. O sistema de colisão está funcionando muito bem e a física da bola está bem realista.

Obediência tática (o quanto o time obedece as definições do plano de jogo)

Uma reclamação constante no PES 2015 eram que os jogadores em campo não seguiam fielmente as estratégias definidas no plano de jogo, algo que no PES 2016 está funcionando de forma bastante satisfatória.

Rigor dos juízes

Enquanto no PES 2015 tínhamos problemas sérios na arbitragem como por exemplo, marcação de impedimentos inexistentes, notamos uma arbitragem mais equilibrada, embora muitas vezes os juízes tenham um pouco de cautela ao aplicar cartões e algumas faltas violentas fiquem sem a devida penalização. 

Cobrança de bolas paradas (lateral, falta, escanteio)

Em relação ao PES 2015 praticamente não houveram alterações, com exceção das cobranças de lateral, que removeram a utilização do triângulo, que servia para cobrar a lateral um pouco a frente do jogador.

Passes

Sem dúvida, um ponto forte do PES 2016, visto que as respostas aos comandos evoluíram muito neste quesito. Uma dica que pode fazer a diferença é treinar por um tempo no modo manual e, após um tempo, migrar para o nível 1, a melhora no passe será notória.

Chutes a gol

Os chutes de fora da área estão mais difíceis de acertar, mesmo utilizando R2 para aumentar a precisão. Agora é possível levantar a bola e chutar de bicicleta, como nos velhos tempos do ISSS. Muitas animações novas foram incluídas, por isso é possível notar vários tipos de chutes diferentes durante a partida.

Os chutes de dentro da área aparentemente ficaram mais fáceis de converter e é comum termos partidas finalizadas com vários gols para ambos os lados. Seria interessante a versão final ter um equilíbrio maior neste sentido. Uma novidade deste ano é a possibilidade de escolher o tipo de comemoração, além de poder movimentar o jogador após o gol.

IA defesa e ataque

O comportamento da zaga foi aprimorada. Os zagueiros são eficientes na corrida e não tomam bolas nas costas com frequência. Durante o ataque, houve também uma evolução, e é comum os atacantes buscarem espaços livres para receber o passe.

Dribles

Os dribles, desta vez, ganharam utilidade na prática, visto que no PES 2014 e no PES 2015, a coletividade prevalecia, e não permitiam utilizar o drible como elemento surpresa. Novamente, a rápida resposta aos comandos contribuiu para elevar os dribles a um novo patamar, desde que a Konami trocou de engine.

Individualidade dos jogadores

Como já é uma tradição no PES, temos jogadores como Neymar, Robben e Ribery que tem movimentação bastante similar em relação aos jogadores reais. Até os goleiros, que geralmente eram bastante parecidos, desta vez ganharam também sua individualidade e notamos goleiros diferentes defendendo de forma distinta.

Goleiros

Melhores que no PES 2015 em chutes fora da área, pois fazem grandes defesas. Porém, estão com reposição de bola e controle manual inferior à antiga versão. Esperamos que na versão final tenhamos uma melhora significativa.

Influência de clima/tempo na jogabilidade

A chuva está influenciando bastante na jogabilidade, é comum que os jogadores escorreguem nas poças d'água. Além disso, a bola rola mais devagar e os dribles ficam menos eficientes.

PES 2016 - Chuva

Erros encontrados

Embora não tão frequente, às vezes acontecem problemas com as colisões, como trombadas que deveriam acontecer entre os jogadores ou choques entres os jogadores dentro da áreas que são marcados como penalti.

Sugestões de melhoria

Ajustes nos goleiros: reposição de bola mais rápida, defesa mais eficiente em chutes dentro da área e mais agilidade para o goleiro manual.

Expectativas para a versão final de PES 2016

  • Desempenho online satisfatório, em primeiro lugar.
  • Corrreção de bugs e erros reportados pela comunidade com frequência, e em tempo hábil, através da liberação de patches.
  • Possibilidade de desligar a emoção em amistosos online.

Participaram desta avaliação:

E vocês? Notaram outras coisas que não citamos na nossa avaliação da demo do PES 2016? Queremos saber suas opiniões e impressões!