Raw Data: Vale a pena?

Shooter é mais uma atração pro VR

Há dois gêneros que vêm se popularizando rapidamente no PlayStation VR: terror e shooters. Raw Data, da Survios INC, é mais um FPS para os óculos de realidade virtual da Sony. Assim como grande parte de seus concorrentes, oferece uma experiência bem imersiva e divertida aos jogadores. E faz isso com uma série de diferenciais bem bacanas.

Variedade de personagens e armas para controlar, arenas de diversos tipos e, o principal, bem mais movimentos do que o normal. Em Raw Data, por exemplo, sua pistola fica no coldre de um lado, na altura da cintura, e a munição do outro. Usando dois controles PS Move, é preciso sacar a arma na esquerda e puxar a munição na direita para carregá-la.

Apesar de algumas limitações técnicas e de um gameplay que pode se tornar  repetitivo, Raw Data é um jogo bem interessante. Mais um passo na direção correta para o PSVR. Os games para ele vão ficando cada vez mais sólidos, e quem estiver pensando em comprar um quando o VR, enfim, chegar ao Brasil, já pode se animar/começar a juntar dinheiro no cofrinho.

Pistola, 12, Espada ou Arco

Em Raw Data, você está em um mundo bem futurista em que tem que conviver com androides – parece, por exemplo, o de Detroit: Become Human. O enredo é simples: a principal companhia (Eden Corp) responsável por estes robôs têm interesses excusos e, ao invés de ajudarem os humanos, eles se tornaram um tipo de ameaça.

Sua missão é simples: invadir a empresa e descobrir o que está acontecendo de fato – enquanto, é claro, distribui tiros nos seres robóticos malvados. Para isso, o jogador possui quatro opções de heróis para controlar – e pode escolher um a cada missão que fizer. Bishop e sua pistola, Boss com uma shotgun, Saija que tem uma espada e Elder portando um arco e flecha.

Isso é bem legal, porque faz com que o jogador possa experimentar diversas maneiras de atirar na realidade virtual. E, como Raw Data tem uma série de comandos de movimento, dá bem mais dinamismo ao jogo. Com o arco, você segura ele com uma das mãos e na outra encaixa a flecha. Na espada, pode dar golpes empunhando com uma ou duas mãos. É bem divertido.

Mas, ao mesmo tempo que é um grande diferencial, também torna-se um problema – mais do hardware do que do software. Como a PS Camera não tem lá um grande ângulo de visão, o jogador vai se ver, em diversos momentos, recebendo mensagens de que está “fora da área de jogo”. Afinal, o combate é intenso, você se move bastante, e acaba saindo dessa zona.

Cuidado para não enjoar!

Isso pode vir a atrapalhar bastante, porque quando essas mensagens aparecem, é normal ficar um pouco perdido, tentando se ajeitar, e aí perder um tempo precioso no meio de um combate. Há momentos em que você não consegue pegar a munição e colocar na pistola a tempo, e aí acaba tomando dano à toa.

Especialmente porque o sistema de movimentação, assim como em todos os jogos que usam o PS Move e querem dar liberdade para o jogador se mover, não é tão simples. Ou você teleporta para um ponto usando um botão ou anda livremente baseando-se na sua visão e na orientação dos controles. Mas até pegar o jeito, sofre-se um pouco.

Outro ponto importante sobre Raw Data é que ele, basicamente, um game de sobrevivência em arenas. Você até passa por vários cenários e tem uma diversidade aceitável de inimigos, porém todos os níveis consistem da mesma coisa. Ir a um lugar e proteger servidores de dados contra os ataques inimigos até eliminar todos e poder extrair as informações.

É dinâmico e divertido por um tempo, mas após alguns minutos pode se tornar repetitivo. Raw Data é um jogo para ser jogado aos poucos, não sequencialmente. Ficar horas nesta mecânica acaba fazendo com que ele seja enjoativo, porque não há explorações, mistérios, nada parecido. É só atirar e se movimentar. O que já é ótimo no PSVR, mas não por longos períodos de tempo.

Na média

Visualmente, Raw Data cumpre seu papel, mas não impressiona como em outros headsets. As armas não são tão bem detalhadas, assim como os cenários, e as 10 missões usam os formatos de arena, o que faz com que não haja muito o que explorar visualmente – e mesmo os vídeos e animações não chegam a impressionar como os de Farpoint, por exemplo.

E, no geral, essa é a impressão que Raw Data passa. Um bom jogo, mediano, nada mais. Conta com um grande destaque, que é a variação de armas, mas que por conta de limitações que são impostas pelo próprio PlayStation VR, acabam não rendendo tanto quanto poderia. Mesmo com estas falhas, entretanto, ainda é um jogo que vale a pena.

Porém, não agora. Por causa de um simples motivo: o preço. Ele custa US$ 40 na PlayStation Store americana. Um valor bem alto para um jogo desse tipo. Especialmente porque agora há bons jogos um pouco mais antigos que já estão com preços mais baixos, e o lineup do PSVR possui está começando a ficar robusto.

Por isso, espere uma promoção que reduza, pelo menos em uns US$ 10 esse valor, ou quem sabe até corte ele à metade – o que seria uma pechincha. Assim, ficará justo para todo mundo. Afinal, Raw Data é um jogo que vale, sim, o seu dinheiro. É divertido, tem várias armas para o jogador brincar e tem um nível de replay razoável. Só precisa ser um pouquinho mais em conta.

AVALIAÇÃO FINAL
Visual
7
Jogabilidade
7
Imersão
7
Sonoplastia
8
Diversão
7
COMPARTILHAR