Após muita expectativa e alguns atrasos, finalmente The Last of Us foi lançado e os gamers puderam, enfim, desfrutar do título que carregava consigo a promessa de ser um dos melhores jogos já produzidos para um vídeo-game e, conforme as primeiras avaliações iam sendo divulgadas, tivemos a certeza que a espera realmente valeu a pena.

Nesta análise, você irá conferir nossas impressões, experiências e a forma como interpretamos esta belíssima obra de arte em uma análise completa.

The Last of Us é mais um game que explora uma temática um tanto quanto repetitiva atualmente, o cenário pós-apocalíptico/pós-pandêmico, onde a humanidade foi quase extinta e os poucos que restaram tentam, a todo custo, sobreviver em meio ao caos. No entanto, em The Last of Us, você é literalmente sugado para dentro da história e  se sente fazendo parte de todos os acontecimentos de uma forma nunca antes vista em um jogo.

The Last of Us

A humanidade foi atingida por um surto infeccioso de um fungo parasita chamado de Cordyceps e grande parte da população morreu ou foi infectada. Cordcypes é um fungo parasita que se espalha por esporos atacando o sistema nervoso do hospedeiro, primeiro tirando suas funções cerebrais, em seguida removendo sua visão e por fim, matando-o.

O surto  se espalhou de forma exponencial, os primeiros infectados passaram a atacar pessoas causando o pânico , fazendo com que todos tentassem, de alguma maneira, escapar da praga mas, como previsto, o caos tomou conta e a sociedade se desfez em pedaços e cada pessoa passou a agir por si própria, fazendo o possível para sobreviver.

Diante deste cenário, o governo dos EUA, declarou lei marcial, criando diversas regiões de quarentena em uma tentativa de conter a epidemia, no entanto um grupo se opôs aos militares e as rigorosas leis em vigor, pedindo a volta de todos os ramos do governo. Este grupo eram denominados, Vaga-Lumes e passaram a combater os militares utilizando táticas e estratégias típicas de milícias e  além disso, eles também buscavam uma cura para a doença, obtendo apoio de grande parte da população.

Durante o desenrolar desses acontecimentos, você irá controlar Joel, trabalhador da construção civil, um amoroso pai solteiro que está em busca de dias melhores porém, seus sonhos são bruscamente interrompidos e sua vida é alterada profundamente onde os acontecimentos vão moldar eternamente a personalidade e forma de agir de Joel.

A história do game se passa 20 anos após os acontecimentos iniciais. Joel agora vive em Boston, é traficante de armas e um homem de meia idade, fortemente calejado pelas dificuldades de se sobreviver em um mundo completamente diferente do passado e sem muitas expectativas de dias melhores. Ele tem a companhia de Tess, uma mulher de personalidade forte que, ao contrário de Joel, ainda mantém esperança na humanidade.

Joel e Tess são contratos pela líder dos Vaga-Lumes, Marlene, para levar um pacote até  a sede da milícia na cidade de Salt Lake City, do outro lado do país. Como forma de pagamento, Marlene promete armas e alimentos para os traficantes. O pacote na verdade é uma garotinha de 14 anos. Ellie é uma adolescente que nasceu no mundo já modificado pela infecção e não conhece muito além das zonas de quarentena. Joel, meio a contra-gosto, aceita a missão e assim a jornada de The Last of Us começa.

Ambientação e Atmosfera 

O game vai introduzi-lo a um ambiente devastado e desolado. Por vezes, estará somente Joel e Ellie em cenários completamente abandonados, buscando encontrar o melhor caminho para chegar ao destino e nada além do desespero absoluto em torno deles.

O game é linear e só existe um único caminho a se seguir no entanto, os cenários são amplos e permitem uma vasta exploração. Cada construção, casa ou sala tem os seus detalhes únicos e percebe-se que as pessoas abandonaram rapidamente o local, levando somente o que podiam. Você irá explorar casas, hotéis, museus, universidades, subterrâneos e hospitais em uma variação e riqueza de detalhes impressionantes.

Ambientes ricos em detalhes
Ambientes ricos em detalhes

Durante a jornada, Joel irá coletar anotações, cartas e gravações dos sobreviventes, cada arquivo narra como cada pessoa ou família agiu diante  da infestação. As anotações servem para aprofundar a história, contando acontecimentos de outras pessoas dentro da história principal dentro de The Last of Us, enriquecendo e aprofundando a trama toda.

O game se assemelha em obras conhecidas e exploradas por Hollywood como A Estrada, alguns elementos de The Walking Dead e Eu sou a Lenda mas, The Last of Us tem seu brilho próprio e sua narrativa é profunda e você irá se identificar com os personagens.

Sobreviva

Joel e Ellie são sobreviventes e vão fazer todo o possível para continuar suas vidas. No game, será necessário utilizar-se da força e da violência para proseguir no caminho, e matar, é a principal forma de sobreviver.

Joel não é nenhum super-herói e não sai por aí atirando ou enfrentando os inimigos de peito aberto, definitivamente não. E em certos momentos, é preciso e necessário evitar o confronto pois, a munição é escassa e deve ser economizada para os momentos de extrema necessidade, principalmente nas dificuldades mais elevadas do game. Como Joel mesmo ressalta a todo instante para Ellie: “Faça os tiros valerem a pena”.

Lutar pela sobrevivência é uma necessidade
Lutar pela sobrevivência é uma necessidade

Furtividade e técnicas stealth devem ser empregadas a todo instante, muitas vezes, evitar o confronto direto com os militares, Vaga-Lumes ou infectados é opção mais sensata.

Os combates corpo-a-corpo são o ponto alto da violência do game. Joel poderá utilizar-se de diversas armas como facas, facões, garrafas e pedaços de pau e, a cada combate, o inimigo pode ser brutalmente morto em um show de cenas de sangue e carneficina.

Além dos humanos, os infectados são um perigo constante e nessa hora os elementos de survivor horror do game se apresentam e irão fazer com que os jogadores se lembrem dos tempos áureos de Resident Evil, Alone in the Dark e Silent Hill. Sustos e momentos de tensão farão com que os nervos dos jogadores sejam testados e colocados a prova, afinal, estar em uma sala escura, sozinho, armados com uma faca e uma lanterna e com muitos Estaladores na sua espreita, é tenso.

Apesar da munição ser escassa, Joel e Ellie podem contar com uma variada coleção de armas de fogo como resolveres, escopetas e espingardas. Além disso, você poderá fazer melhorias em várias partes das armas em um sistema que utiliza elementos de RPG’s, onde é necessário selecionar as prioridades e conforme se avança no jogo, acumulando engrenagens e ferramentas é possível aumentar o alcance, dano ou tempo de recarga. Por isso, é fundamental que os cenários e locais sejam  muito bem explorados, revirando cada canto ou gaveta.

Para sobreviver em The Last of Us não basta somente armas, é necessário coletar diversos outros itens que podem fazer a diferença nas horas mais complicados e qualquer coisa serve, um trapo, garrafas, esparadrapos, pregos e latas se transformam em poderoso utensílios nas mãos de Joel. Com eles, é possível criar coquetéis molotov, bombas de pregos, bombas de fumaça entre outros.

E, para armazenar estes diversos itens e equipamentos, Joel e Ellie contam com suas inseparáveis mochilas. Tudo fica armazenado nelas e pode ser acessados a qualquer momento do gameplay contudo, ao utilizar algum Kit Médico ou criar algum item, os personagens ficam temporariamente fora de ação e podem ser atacados portanto, é necessário se abrigar antes de acessar a mochila.

Gráficos e Audio

A equipe da Naughty Dog fez um trabalho sensacional em The Last of Us. O game utiliza a mesma engine que a série Uncharted e os gráficos se assemelham aos da aventura de Nathan Drake mas, com algumas melhorias e refinamento técnico em renderização e artística.

Todos os cenários, abertos ou fechados, possuem uma enorme riqueza de detalhes e como dito, toda construção possui suas características próprias, nada é reaproveitado.  Os ambientes são sujos, destruídos e cheio de ruínas onde o mato já avançou cidade adentro se assemelhando as cenas vistas no filme Eu Sou a Lenda.

Além dos cenários, os personagens apresentam suas feições desenhadas de uma forma belíssima, você realmente tem a nítida sensação que controla uma pessoa real e não um modelo em três dimensões.

O áudio também tem um papel fundamental na trama. As músicas criam toda a atmosfera e aprofundam o clima da aventura, fazendo com que o jogador seja captado para dentro da história.

O game é mais um totalmente localizado em português do Brasil. As dublagens estão muito bem feitas e a escolha dos dubladores caem muito bem para todos os personagens, certamente uma das melhores dublagens já realizadas para um jogo no Brasil.

Personagens e seus relacionamentos

Todos os personagens que cruzam o caminho de Joel e Ellie possuem suas características e personalidades marcantes, sempre com algo interessante e importante a acrescentar a história.

Joel, é um homem de meia idade, com as marcas de uma vida dura e sofrida pela necessidade constante de sobreviver a qualquer custo. As circunstâncias fizeram com que Joel se tornasse uma pessoa dura e cética em relação aos sonhos e até certo ponto aos relacionamentos. O seu passado, no intervalo do início da infecção até os dias atuais do jogo, são desconhecidos e Joel evita dar maiores detalhes e a tocar no assunto.

Ellie é uma adolescente  de 14 anos, órfã, que pouco conheceu do mundo fora da zona de quarentena. E como toda adolescente, ela faz algumas molecagens e apronta algumas, mas, de maneira geral, ela encara muito bem a situação e se mostra muito forte para uma garotinha.

Joel e Ellie, no começo da história mantém um relacionamento afastado de pouca aproximação, afinal ela é apenas uma carga para o traficante mas, conforme com o desenrolar do jogo, eles passam a se entender melhor e criam um forte vínculo de afeto e ternura, praticamente um relacionamento de pai e filha fazendo com que o jogadores criem fortes laços com ambos os personagens.

Inimigos

No game você irá se deparar com com os infectados e com os humanos. Os infectados são criaturas que perderam suas capacidades cerebrais e sofreram mutações, transformando-se em horripilantes seres. São quatro as criaturas:

  • Corredores: São os infectados em primeiro estágio. Ainda possuem algumas características humanas e só atacam quando são atacados ou sofrem algum tipo de estimulo. Quando atacam, o fazem de maneira desesperada sem muita tática.
  • Perseguidores: São os infectados em segundo estágio. Possuem as habilidades de um Corredor mas, com a aparência em deterioração, com o crescimento de alguns fungos em suas cabeças.
  • Estaladores: São os infectados em terceiro estágio. São completamente cegos e emanam um som muito parecido com um “click”  ou estalo. Através da vibração das ondas emitidas por este som, ele consegue se locomover e localizar suas vítimas. Sua aparência foi completamente consumida pelo fungo e não possui qualquer característica humana. Uma vez estimulado, o estalador sairá em desespero a procura de alguém para comer e com apenas um golpe, você é brutalmente morto por ele.
  • Vermes: São os infectados em quarto e último estágio. Os fungos criaram uma grossa camada em seus corpos que serve como uma espécie de armadura. São lentos e possuem as habilidades ampliadas de um Estalador. Enfrentá-los exige cuidado e paciência.

Você também irá se deparar com humanos armados e sem nenhuma piedade. Eles são inteligentes e podem flanquear e se abrigarem. Em um muitos casos será necessário apenas ficar na espreita e atacar somente quando for oportuno.

Multiplayer

O modo Multiplayer não foi colocado no game somente para fazer número ou completar o disco, muito pelo contrário. Este modo é uma extensão da história principal, robusto e pode prolongar a durabilidade do título.

Você deverá escolher entre dois modos, Suprimentos e Sobreviventes.

  • Suprimentos: Você coleta suprimentos e trabalha em equipe para juntos obter a vitória. Seu time possui um número de vidas compartilhado entre todos, então é altamente necessário que estejam alinhados em objetivos para matar os inimigos e coletar os itens.
  • Sobreviventes: Tradicional mata-mata em equipe, mas, sem renascimento, ou seja realmente sobreviver. Neste modo, você precisa ser extremamente cuidadoso.

Em ambos os modos, trabalhando em equipe, você irá obter melhores resultados que jogando igual um Rambo, se você conseguir jogar como tal é claro. O Multiplayer de The Last of Us não é Call of Duty, e não adianta você querer matar a todos e ser o primeiro colocado.

O jogo tem um sistema de Semanas, você tem que sobreviver durante diversas semanas coletando itens que podem ser utilizados para curar os doentes e alimentar os famintos, afinal você faz parte de grupo de sobreviventes e precisa destes itens.

Ops

Apesar de todas as qualidades mencionadas, a equipe da Naughty Dog cometeu alguns pequenos deslizes que não chegam a atrapalhar o título, mas que poderiam ter sido evitados.

Ellie por exemplo, por vezes começar a falar em momentos inoportunos, onde o inimigo está a poucos metros de distância no entanto, estes sequer notam e passam batido por ela mas, basta Joel dar um passo em falso para que tudo esteja perdido.

O áudio em português do Brasil as vezes é extremamente baixo, mesmo que você aumente o volume, as vozes são muito baixas, principalmente quando algum personagem não está na mesma sala que Joel.

Conclusão

The Last of Us é uma obra prima que merece certamente ser apreciada pelo maior número de pessoas possíveis. Toda sua trama e maneira como a história é contada fazem deste título certamente um dos melhores jogos do PlayStation 3.

1 - Selo de Platina