2018 foi mesmo um ano de glórias. Já listamos alguns dos acontecimentos mais marcantes desse ano. O PS4 recebeu exclusivos incríveis, como Spider-Man e GOTY of War, fomos agraciados com o aguardadíssimo Red Dead Redemption 2, entre vários outros.

Como nem só de glórias vive o homem, 2018 também trouxe falhas. Confiram a nossa lista com os maiores fails desse ano que se encerra.

Vazamentos pré-E3

Assassin's Creed Odyssey_destacada

A E3 2018 foi praticamente toda spoilada antes da hora neste ano. Tudo começou quando a Walmart do Canadá decidiu mostrar o catálogo de quase todos os títulos que seriam anunciados no evento. Assassin’s Creed Odyssey, Just Cause 4, RAGE 2, entre outros títulos, foram listados e confirmados ao longo do tempo.

A Ubisoft deve ter sido a empresa mais atingida. Depois do vazamento do Walmart, Assassin’s Creed Odyssey foi “confirmado” por outro vazamento. Imagens de um chaveiro que seria vendido na E3 apareceram internet; logo depois, uma série de imagens e até a sinopse com detalhes do game caíram na rede antes da hora. Para completar, Just Cause 4 também vazou na Steam.

Battlefield V

A EA e DICE anunciaram Battlefield V colocando a maior banca. Quiseram fazer um trailer e uma capa “inclusiva”, colocando mulheres como protagonistas e uma delas na capa do jogo. Não colou.

Ainda que a ideia da representatividade seja muito boa e que mulheres tenham realmente participado de resistências na Segunda Guerra Mundial, ficou claro que o objetivo das empresas não eram exatamente enaltecer o público feminino.

A EA teve que lidar com uma montanha de haters que ficaram incomodados com o protagonismo feminino no game e da desconfiança de quem não acreditava nas boas intenções. No fim das contas, ficou parecendo que a ideia era tentar desviar a atenção das temidas lootboxes e microtransações que queimaram o filme da DICE no ano anterior com Battlefront II.

Ainda por cima, Battlefield V foi afetado por uma série de conteúdos “cortados”. Vários modos de jogo e funcionalidades foram anunciadas para o game e simplesmente não estavam lá no lançamento. No fim das contas, o game pareceu incompleto e amargou vendas mornas.

Metal Gear Survive

Metal Gear Survive é o tipo de jogo que faz a gente se perguntar onde a Konami estava com a cabeça. O título foi anunciado depois da saída conturbada de Hideo Kojima da empresa e não caiu nada bem entre o público.

Usando o motor gráfico desenvolvido pelo criador de Metal Gear quando ainda estava na Konami, o game misturava a temática da franquia com um jogo de sobrevivência e um sistema de crafting de bases, o que parece não combinar muito bem. O flop foi certeiro.

Conferência da Sony na E3 2018

A experiência in-loco deve ter sido bacana, mas para quem assistiu foi esquisita.

A conferência da Sony certamente teve coisas incríveis, como o gameplay bombástico de The Last of Us Part 2, o primeiro trailer de Resident Evil 2, e mais um trailer de Death Stranding que ninguém entendeu.

Mas como um todo, a conferência deu muito errado. Haviam poucos anúncios a serem feitos, pois a Sony decidiu dar prioridade aos “quatro grandes exclusivos”, Spider-Man, The Last of Us Part 2, Death Stranding e Ghost of Tsushima, o que resultou em uma grande “encheção de linguiça”.

Apesar dos bons conteúdos, a apresentação foi confusa, com pessoas tendo que andar de um cenário para o outro no local. Quem estava em casa assistindo por streaming não entendia nada do que estava acontecendo nesses intervalos. Isso sem falar nas apresentações musicais que, convenhamos, foram sonolentas.

Fechamento da Telltale

Telltale Games

O fechamento da Telltale deixou muita gente surpresa. Ninguém esperava que, com a última temporada de The Walking Dead anunciada e com dois episódios já publicados, o estúdio simplesmente fechasse.

O que veio à tona foi que a Telltale era extremamente mal administrada, além de fazer os funcionários trabalharem em jornadas absurdas. O estúdio vivia em estado de “crunch”, colocando desenvolvedores trabalhando por muitas horas por semana. Ainda, a empresa enfrentava problema com marcas licenciadas e com a nova engine.

Não tinha como dar certo. Mais de 250 pessoas foram demitidas do dia para a noite e todos os projetos do estúdio, incluindo a última temporada de The Walking Dead, foram cancelados. O jogo acabou sendo salvo pela Skybound, mas jogos como The Wolf Among Us 2 ou a continuação de Game of Thrones nunca vão acontecer.

Fallout 76 e a Bethesda

Desastre. É como dá para definir o ano de 2018 para a Bethesda. A empresa fez uma conferência empolgante da E3, com anúncios interessantes, como Starfield e um novo The Elder Scrolls, apresentou os conceitos por trás do novo Fallout 76 e dois novos jogos da série Wolfenstein.

Até aí tudo ia muito bem… até Fallout 76 ser lançado. O jogo foi recebido com certa desconfiança, porque não se sabia até que ponto os conceitos do jogo pós-apocalíptico combinariam com um multiplayer online. A resposta era: não, mas antes o problema fosse apenas este. Entre novembro e dezembro a Bethesda conseguiu:

PlayStation Classic

PlayStation Classic

Embarcando na ideia dos consoles nostálgicos em versão “mini”, a Sony decidiu lançar o PlayStation Classic. Com precinho salgado comparável ao dos concorrentes, como o SNES Classic, a miniatura do PlayStation ficou devendo, e muito.

Por U$99 os compradores levavam um console 45% menor do que o original que rodava um emulador open source facilmente encontrado de graça pela Internet.

Além de entregar nenhum tipo de otimização para televisores atuais, o PS Classic contou com uma biblioteca de apenas 20 títulos não expansível e com escolhas bastante questionáveis. Clássicos que marcaram a geração ficaram de fora.

Apesar do fail, o PS Classic vendeu bastante e esgotou logo depois do anúncio. Com o tempo, as vendas esfriaram e o console já está com um grande desconto.

Serviços da PSN

Apesar de contar com a maior base instalada de usuários e exclusivos premiados, a Sony continua a deixar a desejar com os serviços da PSN.

Ao longo de 2018 a PlayStation Network passou por períodos de instabilidade várias vezes. Só aqui no Meu PS4 nós reportamos isso pelo menos nove vezes durante o ano. O período mais crítico foi justamente no período de férias escolares, em julho. Ainda que “quedas” tenham sido reportadas apenas estas vezes, foi comum encontrar alguns problemas de lentidão, especialmente no carregamento da PS Store nesse ano.

Com a obrigatoriedade de se pagar para jogar online via assinatura da PS Plus, o número de clientes do serviço certamente aumentou, mas a qualidade dos servidores continua a desejar.

Já a oferta de jogos “gratuitos” é um ponto mais pessoal. Neste ano tivemos bons nomes como: Bloodborne, Ratchet & Clank, Call of Duty: Black Ops 3, Destiny 2, RiME, Mad Max, Rayman Legends, God of War 3 e tantos outros. Ao todo, se colocarmos na ponta do lápis, as oferendas somam mais de R$ 2.000. Isso por uma assinatura de R$ 130 anuais…parece ter valido bastante a pena. É claro que há aqueles que não gostaram.

E ainda tiveram os bons descontos para membros. Então, não é muito difícil perceber que a PS Plus melhorou, quando comparada aos últimos anos.

Hideo Kojima e ninguém entender nada de Death Stranding

Hideo Kojima Death Stranding
Hideo Kojima parece manipular os jogadores.

Até que ponto Hideo Kojima conseguirá segurar o hype por Death Stranding? O jogo foi anunciado na E3 2016 e até agora ninguém entendeu basicamente nada do jogo.

Não há sinopse, um estilo de gameplay claro ou qualquer informação mais concreta para o público saber o que esperar.

O nome de Kojima foi sinônimo de qualidade por muito tempo e não há dúvidas de que Death Stranding é um projeto ousado. Nós já falamos sobre o fato de que o game se manter misterioso e colocar os fãs para descobrir enigmas e pistas é parte da experiência que pode trazer conceitos inéditos, mas é muito complicado manter o público cativado por algo que simplesmente não entende.

Apesar de o game ainda captar a atenção de alguns fãs mais ávidos como o que aconteceu recentemente com o suposto viral relacionado ao perfil Archillect do Twitter, a falta de informações concretas sobre o game está começando a gerar uma certa indiferença do público.

The Quiet Man

Sério, galera. O que foi The Quiet Man? Com 29 pontos no Metacritc e chamado de piada pela crítica, representa a maior vergonha do ano para a Square Enix.

Vale prêmio de consolação ainda para Agony né? Foi realmente uma agonia o lançamento do game.

Qual foi o maior fail do ano para você?