É indiscutível a maneira como a produtora de videogames Rockstar Games revolucionou o cenário de mundo aberto em seus jogos.

Em maio de 2004, a produtora trouxe ao mercado uma ideia que futuramente seria o melhor jogo no estilo Westeros até hoje, utilizando uma formula já antes testada e aprovada em outros jogos da empresa. Nascia para o mundo dos jogos eletrônicos, ali, Red Dead Revolver, produzido pelo estúdio San Diego da Rockstar para PlayStation 2. Um clássico jogo de vingança com um sistema de combate inovador, pitadas de duelos sangrentos a bordo de trens e recompensas por bandidos.

Com o passar do tempo, Red Dead Revolver caiu no esquecimento de alguns, de outros nem tanto. O que não sabíamos abertamente, é que passado um ano do sucesso de Revolver a produtora já dava início a outro ambicioso e maior projeto, com cerca de 400 profissionais envolvidos, que dali a 5 anos seria trazido ao público.

Com mais de 500 diferentes personagens dentro do jogo, em 2010, Red Dead Redemption foi aclamado com muito carinho pelo público como um “GTA no Faroeste” que trazia um sistema de moralidade que permitia os jogadores seguir seu próprio caminho, sendo herói ou vilão.

A sequência espiritual de Revolver, Red dead Redemption, era inimaginável pelos fãs da série. Inspirado em diversos livros e filmes clássicos como “Era uma vez no Oeste (1968)”, “Jovens Pistoleiros (1988)” e outros mais, o jogo da San Diego Studios sacramentou um personagem icônico, John Marston, um ex-criminoso, na caça pelos antigos membros de sua ex-gangue devido a um sequestro por parte dos governantes da época de sua esposa e filho, com a promessa de libertação em troca de seus serviços. O caçador de recompensas não vê outra saída a não ser ir atrás de seus três ex-companheiros e traze-los a justiça.

Red Dead Redemption

Após o lançamento, Red Dead Redemption caiu nas graças da crítica adquirindo uma média de 95% nos agregadores Metacritic e GameRankings, tornando-se um dos jogos mais bem recebidos por ambos os sites, tanto para o PlayStation 3, quanto para o Xbox 360. Vendendo cerca de 13 milhões de cópias e vencendo premiações como melhor jogo do ano de 2010 e mais de 30 outros prêmios.

Seria um crime por parte dos estúdios da Rockstar Games não trazer tal universo para nova geração de consoles.

Se anteriormente a Rockstar conseguiu entregar a nós jogadores uma obra-prima com experiência marcante, que até diretores consagrados do gênero como Sergio Leone, John Ford e Howard Hawks, tirariam o chapéu, isso tudo com toda limitação dos consoles da geração passada, imagine com o novo poder e facilidade de programação que o PlayStation 4 trouxe ao mercado ?

Sem contar com o poder gráfico da nova geração, que já pudemos ter um gostinho em jogos como o exclusivo da Sony “The Order:1886” e o novo sucesso da CD Projekt “The Witcher 3 : Wild Hunt”.

Por esses motivos mostrados e tantos outros que não precisam de muita explicação é que a continuação da série de jogos Red Dead é tão aguardada pelo público, e tratando-se da Rockstar Games, que sempre nos traz agradáveis surpresas que encantam velhos e agrega novos fãs para seus jogos, só podemos esperar que o sucessor de Red Dead Redemption seja tão marcante quanto seus antecessores e nos faça perder horas sentados frente a nossos televisores desbravando o velho oeste, com novas perspectivas e desafios.