Os cinco anos de PlayStation 4 tem alguns números bem impressionantes, que mostram o seu domínio na atual geração. E é justamente dessas estatísticas que o Meu PS4 vai falar no penúltimo capítulo do especial #PS4faz5. Só para dar um preview: você sabia, por exemplo, que já são mais de 86 milhões de consoles vendidos nesses cinco anos?

Mesmo cinco anos depois do lançamento, o PS4 ainda é quem puxa os dados positivos dos relatórios fiscais da Sony, que apontam o possível lucro de US$ 7,7 bilhões ao final do ano fiscal atual, até março de 2019. A vantagem do PS4 para os concorrentes é tão grande que a Microsoft parou até de divulgar quantos Xbox One ela vende por mês/ano.

E a Nintendo, por sua vez, vem até sendo bem sucedida com o Switch, com mais de 22 milhões de unidades vendidas do seu lançamento, em março de 2017, até setembro de 2018. Porém, isso é “só” um pouco mais do que os 19 milhões de PS4’s vendidos pela Sony no ano fiscal de 2017, seu quarto ano.

86 milhões e contando…

A Sony divulgou, no último relatório fiscal, que comercializou 86 milhões de consoles PS4 desde 2013. O número já supera o do PlayStation 3, que teve sete anos de vida (entre 2006 e 2013) e vendeu 83,8 milhões. A meta agora é ultrapassar o PlayStation original, que vendeu 102,49 milhões entre 1994 e 2006.

O PlayStation 2, porém, ainda parece inalcançável. Ele é o console que mais vendeu unidades na história dos games, com 155 milhões. Para chegar a esse número, seria necessário que o PS4 vendesse mais 70 milhões, algo que é improvável tendo como base as previsões de que um PS5 deve sair em, no máximo 3 anos.

De qualquer forma, a Sony planeja fechar esse ano fiscal com um total de 17,5 milhões de vendas do PS4 (atualmente está com cerca de 3,9 milhões). Caso isso se confirme, o PlayStation 4 superará a marca de 100 milhões de consoles vendidos nos próximos seis meses, podendo chegar ao posto de quarto ou quinto mais popular da história.

34 milhões de Plus

Desses 86 milhões de consoles, 34 milhões têm assinatura do serviço pago da Sony, PlayStation Plus, que permite que os jogadores disputem partidas online e tenham os jogos grátis do mês – baita sucesso junto à comunidade. O número é impressionante, pois representa quase 40% do número total de videogames vendidos.

Uma assinatura anual da Plus custa R$ 129,99 no Brasil. Nos Estados Unidos, ela é vendida por US$ 59,99. Ou seja, a Sony encontrou uma forma de receita que vai um pouco além do console. Vamos fazer uma continha rápida, levando em conta o valor dessa assinatura e do console nos Estados Unidos?

Quem comprou o PlayStation 4 no lançamento, em 2013, e assina a Plus todo ano, agora vai pro seu quinto ano de pagamento. Ou seja, será o quinto pagamento com valor de US$ 60, totalizando US$ 300 – o preço de um PlayStation 4 nas lojas de lá, apenas US$ 100 a menos do que pagou no console assim que ele foi lançado.

Ou seja, a empresa praticamente dobrou a receita que teria com aquele jogador – que compraria o console e não daria mais dinheiro para a Sony. E o número de assinantes só aumenta. Em março de 2017, eram 26,4 milhões. Hoje, são mais de 34 milhões. A tendência, claro, é de continuar crescendo.

Exclusivos vendem mais de 30 milhões

Nós não temos relatórios de vendas de jogos com tanta frequência quanto de consoles, mas pelo visto, os exclusivos da Sony no PlayStation 4 vão muito bem, obrigado. Afinal, o jogo mais vendido dessa história do console (lista completa aqui) é um título feito pela empresa: Uncharted 4: A Thief’s End, com 8,7 milhões de cópias.

Horizon Zero Dawn tem 7,6 milhões. God of War somou 5 milhões só no primeiro mês. Spider-Man fez 3,3 milhões só nos três primeiros dias. Gran Turismo Sport já teve 3,3 milhões de cópias vendidas. Detroit: Become Human registrou 1,5 milhão em tempo recorde para a Quantic Dream. Infamous: Second Son também chegou a 1 milhão.

Exclusivos

E todos esses números não são atualizados “em tempo real” como os do PS4. Os jogos de Kratos e Homem-Aranha, por exemplo, certamente já venderam mais do que isso. E, com Black Friday e o final do ano vindo aí, com certeza serão muitas unidades mais. Ou seja, certamente, já foram mais de 30 milhões de exclusivos vendidos no PS4.

Sem contar que ainda teremos, pelo menos, mais três títulos de peso exclusivos para o PlayStation 4 nesses próximos meses/anos. Ghost of Tsushima, The Last of Us Part II e Death Stranding estão gerando enorme expectativa, e devem vender muito bem. Antes deles, ainda vem Days Gone, no começo de 2019.

US$ 7,7 bilhões de lucro

Com tantas vendas e assinaturas, a Sony não poderia estar mais otimista para o final desse ano fiscal. Ainda vêm aí a Black Friday e as festas de fim de ano, que deverão alavancar bastante suas vendas de consoles, acessórios e softwares. Por isso, ela já prevê incríveis US$ 7,7 bilhões de lucro no ano fiscal, 30% a mais do que no último.

Claro, a empresa é gigante e atua em diversas áreas, mas a divisão de games é quem lidera os números junto com a música. Só nesse trimestre, foram US$ 800 milhões de lucro nos jogos eletrônicos e US$ 950 milhões com as canções. E, como já dissemos, com o final do ano chegando, isso deve subir bastante.

É interessante ver a volta por cima da Sony pós-PS4. Em 2011, por exemplo, um texto do Tecmundo ‘previa’ a empresa falindo até 2019. Em 2014, ela se reestruturou de uma forma radical, mandando mutia gente embora, mas continuou com dificuldades. Nesse ano mesmo, a empresa anunciou mais mudanças na diretoria.

Agora, porém, a situação parece muito mais tranquila. Mesmo com a queda de vendas natural que deve ocorrer com o PS4, o sucesso do console, os jogos que ainda vêm aí, além da expectativa pelo PS5 devem ser o suficiente para deixar a Sony navegando em águas mais calmas do que no início da década.

Confira todos os artigos do especial #PS4faz5: