O Meu PS4 só tem alguma relevância graças a vocês. São milhões de visitantes a cada mês, além de quase 2 milhões de seguidores nas redes sociais. Então, não poderíamos deixar o nosso público de fora desse especial #PS4faz5, não é? Decidimos ouvir alguns dos nossos assíduos leitores sobre o significado do PlayStation 4 em suas vidas.

Conversamos com cinco jogadores sobre como o console é importante para eles no dia a dia. Dentre os temas abordados, nota-se que os exclusivos são um baita fator na hora de comprar o console. Mas vai muito além disso. Amizades e o histórico de PlayStation também contam demais. Tem até gente já colocando o filho na tradição…

Válvula de escape

Kauê Lourensoni, o Tio Pecos, tem 29 anos de idade e trabalha com logística na cidade de Bragança Paulista, para onde se mudou há apenas dois anos. Ele vê o console como uma válvula de escape, além de uma forma de fazer novos amigos. Segundo ele, até o Meu PS4 ajudou bastante nisso.

“O PS4 mudou minha forma de jogar, porque antes eu só jogava single player. Não tinha nem amigos na PSN. Na verdade, não tinha amigos até frequentar o site. Lá eu comecei a fazer amizades e adicionar pessoas. E além de ser um hobby, o PS4 é uma válvula de escape, porque mudei de cidade faz uns dois anos e não conheço ninguém aqui. O Play é onde eu encontro meus amigos e relaxo”, explicou.

Dono de um PlayStation 4 desde 2015, ele tem uma vasta história com os consoles da Sony, e ainda está na expectativa por muita coisa boa nessa geração. Inclusive, certos títulos de 2018, já que o ano foi tão bom, com tantos grandes lançamentos, que foi até preciso priorizar alguns. Afinal, não há bolso que aguente, né?

Eu venho no PlayStation desde o primeiro. Ganhei assim que saiu, e venho  passando pelo 2 e o 3, então o 4 foi natural ter sido escolhido. Valeu muito, porque jogo praticamente todo dia. Só não compro todos os jogos por causa de grana mesmo. Abri mão do Spider pelo RDR 2, mas pretendo em breve ter o Spider, e estou aguardando muito o Ace Combat, porque gosto muito da franquia, RE 2 e The Division 2, porque tenho 900 horas no 1″, completou.

Raphael Oliveira, designer (que faz umas montagens bem engraçadas e posta aqui nos comentários), de 25 anos, também sempre teve um PlayStation, e diz que demorou pra comprar o PS4 só porque estava caro e teve que juntar uma grana para fazê-lo. Porém, valeu cada centavo e o esforço feito.

Jogo todo dia sem exceção. Só não jogo se estou viajando. Já platinei 26 jogos até o momento. Acho que estou vivendo meu auge gamer com o PS4. Eu nunca tive tantas experiências incríveis como com ele. Talvez seja maturidade, aprender a apreciar mais as coisas, algo que só a idade nos traz. Posso ser suspeito pra falar, sou bem sonysta, mas acho que nada me faria trocar o PS4 por outra plataforma. Apenas o PS5″, disse.

Casos de Família

Renato Carvalho, empresário de 31 anos, ganhou o Play 4 de presente da esposa em 2014, e hoje já colocou o console na rotina do filho, Arthur, de 3 anos. Antes, ele era o local de se divertir com os amigos, jogar exclusivos e coletar platinas. Agora, é a prova de que um console pode ser muito mais do que isso.

“Eu já tinha o Xbox One, mas não tinha tantos amigos que tinham, então não dava para jogar com eles, mas minha prioridade agora é comprar jogos pro meu filho, Arthur, de 3 nos. Ele é viciado na série Lego e já tem mais de 200 horas de Marvel Super Heroes 2. O PS4 é quase um membro da família e fica tão ligado quanto a TV. Quando não estamos jogando, a minha esposa está assistindo séries nele”, explicou.

Fernando Batera, por sua vez, tem 40 anos, e comprou o seu PlayStation 4 na Black Friday de 2014. Seu filho, Gabriel, de 10 anos, também ganhou um depois. Ou seja, temos jogatina em dobro na casa dos Batera!

“Minhas melhores memórias e momentos com o console estão, em boa parte, ligados ao meu filho, que joga comigo sempre. Seja Lego ou outro game em parceria. E ele sempre está junto quando vou fechar algum game, e palpita em tudo (risos). O meu PS4 veio na Black Friday de 2014, praticamente um ano após o lançamento e, comecei a acessar o site de vocês nessa mesma época”, explicou Fernando, que vê os videogames de forma bem positiva na infância.

“Filtramos palavrões, e coisas sexualmente incoerentes com a idade dele, mas ele tem boa liberdade. No meu prédio mesmo, vemos que rola um pouco de preconceito ainda com crianças jogando videogame, e alguns meninos, amiguinhos do Gabriel, quando chegam lá em casa e veem que podem jogar de boa, nos elogiam”, destacou.

Experiências inesquecíveis  

Felipe Costa (que você deve conhecer dos comentários aqui do site como LipeGates), coordenador de operações comerciais em Fortaleza, tem 24 anos e é outro que curte o PS4 em família – mas com a esposa, Janaína. Eles compraram o console em 2016 (por incentivo dela), deixando pra trás um concorrente, e não se arrependem.

“Comprei meu PS4 em junho de 2016. Eu e minha esposa estávamos insatisfeitos com o console que tínhamos. Ele era da atual geração, mas jogávamos mais o nosso amado PS2 do que ele, então, como sempre fui fã dos jogos do PlayStation, comprei o PS4 em um momento de empolgação que a gente teve, vendo um gameplay de Uncharted 4. Eu fiquei encantado com o que vi, comprei e hoje sei que foi uma das melhores compras da minha vida”, comentou.

Independente de quais jogos ou com quem você está jogando, o PlayStation 4 marcou muitas vidas. Renato Carvalho e Raphael Oliveira, por exemplo, citaram The Last of Us, a versão remasterizada, como uma experiência inesquecível. O primeiro jogou no PS3, enquanto o segundo conheceu Joel e Ellie já no Play 4.

“Não tive chance de jogar The Last of Us no ps3, então foi uma experiência incrível no PS4. Outros jogos, como The Witcher 3, God of War, alguns Assassin’s Creed também me prenderam bastante são meu escape do estresse. E mais do que isso, considero um estilo de vida. Ainda espero mais uns 3 anos com meu PS4, para conseguir terminar a lista enorme de jogos que ainda tenho e jogar os lançamentos futuros”, contou Raphael.

“Espero com muita ansiedade o novo The Last of Us. Vai ser o melhor jogo do console”, emendou Renato.

Ou seja, nesses cinco anos, os leitores do Meu PS4, e jogadores do console em geral, têm muita coisa boa para recordar. E, certamente, virão mais memórias inesquecíveis nos próximos meses/anos.

E você, quais suas experiências com o PS4 ao longo destes 5 anos? Conta pra gente nos comentários!

Confira todos os artigos do especial #PS4faz5: