Sekiro: Shadows Die Twice não é um Dark Souls com uma nova roupagem, mas promete provocar as mesmas emoções que o seu colega de gênero, desafiando os jogadores em combates que exigem muito de suas habilidades.

Defender um jovem de linhagem nobre nunca foi tão desafiador no mundo dos games, já que é alvo de um perigoso clã, que trama seu sequestro, enfrentando qualquer um que tente atrapalhar seus planos.

Heroísmo e vingança

É justamente nessa posição que se encontra o protagonista de Sekiro: Shadows Die Twice, que ao tentar defender o jovem de 10 anos de idade, perde um braço na luta contra um samurai e deixado para morrer no local da batalha.

Mas ao retomar a consciência, sente uma nova forma ocupando o antigo espaço de seu braço, a prótese Shinobi, obra de uma misterioso cientista, conhecido como escultor, um dos personagens principais da trama.

Tudo isso ambientado no Japão do século XIV, repleto de figuras fantásticas, como cobras gigantes e outros tipos de monstros, tornando-se um mundo único e original criado pela From Software.

A ideia é usar as habilidades de um antigo guerreiro ninja, mas com possibilidades de combates nunca antes imaginadas. Seja no corpo a corpo, com espadas ou usando a Shinobi, as lutas tem infinitas possibilidades, inclusive a segurança da furtividade.

Ainda assim, na maioria das vezes, o jogador precisará encarar inimigos fortemente armados, o que deixa a possibilidade de morte em combates comuns ainda mais fácil de acontecer. Pois um ninja geralmente está menos equipado que seus inimigos.

Mas se morrer, o retorno do personagem pode ser por ressurreição, voltando exatamente no lugar onde caiu, mas isso terá um custo, já que recursos serão necessários. Uma opção que pode custar caro ao jogador no decorrer do gameplay, talvez seja melhor o checkpoint.

Um novo modelo

Ao catalisar a atenção dos jogadores para esse centro da trama, principalmente para o relacionamento dos personagens principais e suas batalhas, a From Software foge um pouco do legado de Dark Souls, que tem uma pegada um pouco diferente.

Por isso, segundo a própria From Software (via Eurogamer), o jogo não será tão fragmentado a história será mais íntegra e dirigida mais pelos passos do personagem principal. Dando a possibilidade aos jogadores terminarem o game na ordem que acharem mais interessante.

Foi uma saída da empresa na busca pela não linearidade do game, para que os jogadores não fiquem presos a um grande número de cutscenes, tornando o gameplay mais fluido e interessante aos usuários.

Assim, os fãs de Dark Souls não precisam ficar tão preocupados com o novo game da From Software, Sekiro: Shadows Die Twice não esquecerá o que é positivo dos games anteriores da produtora, mas promete uma mescla entre o antigo e o novo em sua nova experiência.