Andrzej Sapkowski, o autor e escritor polonês dos livros da saga The Witcher, duvidou do sucesso das aventuras do bruxo Geralt nos videogames.

O escritor relata que vendeu os direitos autorais sem exigir uma parte dos futuros lucros devido à sua descrença e, segundo ele, foi uma decisão estúpida a longo prazo.

The Witcher
Andrzej Sapkowski – Autor de The Witcher. Fonte: Divulgação.

Decisões precipitadas

A verdade é que a relação inicial do autor com os desenvolvedores não foi um mar de flores. A negociação dos direitos autorais, que na época foram partilhados por uma quantia fixa para o uso da CD Projekt RED, não ligada a royalties ou ganhos no futuro.

Essa decisão foi do próprio autor, o qual optou por receber a quantia que julgava justa pela negociação imediata, pois não acreditava plenamente no sucesso de The Witcher nos games.

Essa escolha o permitiu não ser vinculado à repercussão da franquia dentro dos videogames, bem como o excluiu de seus lucros.

Em entrevista a Eurogamer, Sapkowski explicou sua posição inicial:

“Eles me ofereceram uma porcentagem nos lucros. Eu disse: ‘Não, não haverá lucros, me dê todo meu dinheiro agora! O valor integral.’ Foi uma estupidez. Fui estúpido o suficiente de deixar tudo nas mãos deles, só porque não acreditava no sucesso do projeto. Mas quem poderia adivinhar? Eu não pude.”

Assim, Sapkowski concluiu que cometeu um engano. Mas, por outro lado, não deixa de reconhecer a qualidade de The Witcher nos games, afirmando que todos foram “muito bem feitos”, mesmo não sendo um apreciador de jogos eletrônicos.

A boa notícia foi a sua disposição do autor, mostrada na entrevista, em continuar com as histórias do bruxo, pelo menos nos livros.

Pela parte dos jogos, a CD Projekt RED já declarou que “Blood and Wine” marcou o fim da série e a desenvolvedora não tem qualquer projeto para dar continuidade à série.