Uma das palavras “da moda” nos últimos anos é “empatia”. É justamente isso o que o famoso game designer japonês Hideo Kojima quer provocar nos jogadores em relação ao “Sam Porter Bridges”, protagonista de seu novo e misterioso game, Death Stranding. A receita para tal é simples: deixá-lo com o “jeitinho” de Norman Reedus.

O ator, conhecido por interpretar Daryl em Walking Dead, é quem dará vida ao personagem – e, aparentemente, mais do que isso. Ele não é só um rostinho bonito (?) escolhido para ser essa face do jogo. Em entrevista ao IGN, Kojima disse que há alguns easter eggs e ações a serem observadas que são “muito Norman”. Justamente para os jogadores reconhecerem.

O próprio ator já disse que, várias vezes, quando ele coçava a cabeça ou fazia algum gesto natural entre uma filmagem e outra na captura de movimentos, Kojima pedia para ele repetir, gravava e adicionava à movimentação de Sam. Ou seja, a ideia é que o personagem tenha o jeito mais humano possível, para que quem o controla possa se identificar.

Da Konami a Death Stranding

Em outra entrevista, agora ao Famitsu, o Kojimão da Massa falou sobre sua saída da Konami. Segundo ele, não foi fácil abrir um estúdio sozinho, aos 53 anos, mas o resultado está aí – e falta menos de um mês para todos conhecermos.

“Faz três anos e nove meses que estou por mim mesmo. Eu tinha 53 anos quando tudo aconteceu. Era pra me aposentar, né? Muita gente da minha família foi contra eu abrir um novo estúdio. Eu não tinha muito dinheiro, só a ideia de fazer o jogo”, comentou o lendário produtor, que não deixou de agradecer à Konami pela carreira.

“O que sou hoje é graças aos 30 anos de Konami. Sou muito grato à empresa por essa conexão”, completou.