Jim Ryan, diretor global de vendas da PlayStation comentou sobre a tão requisitada retrocompatibilidade no PS4.

Desde que a função esteve disponível no PlayStation 2, a retrocompatibilidade é uma pedida constante dos usuários dos consoles da Sony e com o console atual não seria diferente.

De acordo com Ryan, a função é mesmo pedida por muitos usuários, mas não é tão usada assim, em uma entrevista cedida à revista TIME.

Enquanto a Sony investiu em aumentar e diversificar a biblioteca de games, parte do acervo físico, jogável apenas em consoles mais antigos da empresa, acabou se perdendo no tempo ao não se tornar acessível no PlayStation 4.

Para a tristeza de alguns usuários, as coisas devem permanecer como estão.

“Quando pensamos em nos arriscar com a retrocompatibilidade, acabamos percebendo que é uma daquelas funções que é muito requisitada, mas na verdade, acaba não sendo muito usada”, disse o executivo.

“Estive em um evento de Gran Tursimo recentemente e eles tinham jogos de PS1, PS2, PS3 e PS4 lá. Olhei para os jogos de PS1 e PS2 e pareciam coisas tão antigas e, sério, quem quer jogar uma coisa daquelas?”

Essa não é a primeira vez que a Sony descarta dar atenção à retrocompatibilidade, ainda que empresas concorrentes usem a função.

Já em 2015, o próprio Jim Ryan descartou que a Sony considerasse a retrocompatibilidade com qualquer prioridade. Na época, os engenheiros de software da empresa estavam focados em funções que diferenciassem o PlayStation 4.

Retrocompatibilidade hoje no PlayStation 4

A forma que a Sony encontrou de tornar alguns jogos antigos disponíveis no PlayStation 4 foi incluir uma biblioteca digital de jogos emulados. A biblioteca “PlayStation 2 Classics” é constantemente atualizada e traz títulos do PS2 ao novo console.

Atualmente, não é possível rodar games físicos de PS1, PS2 ou PS3 no PlayStation 4.