As microtransações já fazem parte da estratégia de monetização dos jogos. Embora muitos jogadores não aprovem a prática, os números mostram que outros tantos compram muitos conteúdos/itens vendidos à parte dos jogos. O Super Data, organização de pesquisas na indústria de videogames, trouxe mais detalhes sobre o tema.

É interessante notar como essa área da indústria sofreu transformações. Os jogadores já demonstraram que reprovam os games “pay-to-win”, mas são adeptos ao modelo que vende itens cosméticos. O sistema do Passe de Batalha começou a ser um recurso popular, presente em games multiplayer como Fortnite, Call of Duty: Modern Warfare e outros.

O Super Data mostrou a quantidade de jogadores que gastam dinheiro em títulos populares. Fortnite e Apex Legends são os principais, com um total de 8%. Os menores são Rainbow Six Siege e PUBG com 1%.

Quase 50% dos gamers dos EUA gastaram dinheiro com microtransações em setembro 1

A pesquisa revelou que os jogadores gastaram menos dinheiro em compras in-game durante o mês de setembro de 2019 se comparado com o mesmo período do ano passado. No entanto, os resultados ainda são representativos. As microtransações geraram um total de U$ 1.4 bilhão.

O infográfico divulgado pelo Super Data mostra a porcentagem de pessoas vs. a quantidade de dinheiro investido. Dentre os jogadores que optaram pelas microtransações, a maioria usou de U$ 10 a U$ 24. Uma pequena quantidade, cerca de 8%, gastaram de U$ 50 até mais de U$ 100.

Quase 50% dos gamers dos EUA gastaram dinheiro com microtransações em setembro 2

As microtransações nos games

Há quem critique, há quem utilize. As microtransações são ferramentas vinculadas à indústria de videogames que, possivelmente, não vão mais sair da vida dos jogadores. Recentemente, a Take-Two revelou que o recurso auxiliou a empresa a faturar quase U$ 1 bilhão.  Por outro lado, um dos produtores de Cyberpunk 2077 criticou quem abusa dessa prática. É um assunto que divide as opiniões.