O CEO da Sony, Kazuo Hirai, declarou estar satisfeito com o números das vendas do PlayStation VR. No entanto, não esconde o desejo da empresa de, em breve, implantar melhorias no equipamento. Inclusive de hardware.

Foi essa mensagem que Hirai deixou em sua entrevista ao Daily Star. Momento este em que não se furtou de falar da qualidade do aparelho de realidade virtual. Mas que também existem alguns problemas que serão resolvidos, evitando prejuízos aos usuários.

Hirai fez questão de sinalizar que as mudanças não serão tão drásticas, mas sim pontuais. Ou seja, somente onde fizer sentido, principalmente economicamente falando.

“Eu diria, genericamente, que existem muitas melhorias que fazem sentido. O PlayStation é um negócio conhecido pela interação. (…) Melhorias precisam ser equilibradas com os custos, mesmo que seja pra ficar mais leve, bonito ou o que seja, não podemos chegar e dizer ao nosso consumidor que custará o triplo. Isso não acontecerá.”

Uma Lenta Decolagem

Mesmo com esses pequenos ajustes necessários e não revelados, previstos pela Sony, Hirai também comentou sobre a estratégia da empresa em relação às vendas do PlayStation VR. Apesar de boas, em sua avaliação, não decolaram como esperado pela mídia especializada.

PlayStation VR - caixa

“Sempre dissemos que não queríamos fazer uma grande divulgação no início, pois é um produto que precisa, antes de qualquer coisa, que o consumidor vá até às lojas ou à casa de um amigo para experimentar.

Não é uma aquisição que possa ser feita somente por base em artigos ou materiais de imprensa em geral.

Queremos ter a certeza de que não sobrecarregaremos os estoques do varejo para depois os revendedores reclamarem que não estão vendendo o produto.

Dissemos que o início ia ser mais lento, mas infelizmente produzimos pouco e muitos revendedores ficaram sem o produto rapidamente, mesmo assim, com os números de fim de ano, ficamos muitos felizes com a força de venda do PlayStation VR.

O motivo por não falarmos desses números constantemente é que não queremos que ele ganha vida própria.”

O receio de Hirai e de toda a Sony seja, possivelmente, que o mercado interprete números baixos como indicador de qualidade do produto, não levando em consideração a quantidade produzida e entregue aos varejistas.

Já experimentou o equipamento? Tem sugestões de melhoria para a Sony? Deixe aqui nos comentários sua opinião e confira outras informações sobre o acessório de realidade virtual.