Um pouco de esperteza pode ser bem útil em Watch Dogs Legion. O jogo contará com “mortes permanentes”, ou seja, se o seu NPC bater as botas uma vez, ele não voltará.

No entanto, nem sempre precisa ser assim. A Ubisoft acalmou os jogadores que adoram um respawn e se pronunciou sobre a mecânica. Se o player se render, o personagem irá para o hospital ou para a prisão, entrando em período de cooldown – e poderá ser usado novamente. Ele só fica inutilizável mesmo se for morto de fato.

O diretor de arte do game revelou que o jogo foi construído levando em consideração o fator de replay. Por isso, haverá muitas possibilidades a cada missão.

Para fazer um sistema complexo como jogar com qualquer um funcionar, tivemos que ter a oportunidade de retornar a diferentes lugares e fazer diferentes coisas. Tome como exemplo a demo na E3, quando você é mandado para a Scotland Yard para cumprir um objetivo. Se eu fizesse aquela missão novamente com uma pessoa diferente, os caminhos poderiam estar me levando a outro lugar. Poderia ser para a estação de polícia de Camden, ou para a outra em Nine Elms, ou ainda para MI6.

Josh Cook então, comentou sobre a morte permanente. Ele disse que haverá opções para evitá-la, mas isso depende do próprio jogador e de como ele abordará as situações em Watch Dogs Legion.

Eu acho que é muito importante ressaltar que as mortes permanentes são resultados de escolhas táticas. Você tem uma decisão a fazer, você tem a oportunidade para se render e seus NPCs serão colocados em um período de cooldown, onde eles serão colocados em um hospital, na prisão ou em diferentes circunstâncias dependendo de como eles foram abatidos.

Portanto, pensar um pouquinho nas suas ações é determinante para o futuro dos seus NPCs. Para quem ainda não sabe, será possível recrutar qualquer cidadão de Londres (cidade onde se passa o game) para fazer parte do gameplay.

Watch Dogs Legion será lançado no dia 6 de março para PS4, Xbox One e PC.