Um dos jogos mais aguardados de 2018, Red Dead Redemption 2, se aproxima de sua data de lançamento. Em entrevista recente ao site GameDaily, o CEO da Take-Two, Strauss Zelnick, deu mais algumas informações sobre o modelo de negócios a ser adotado pelo título da Rockstar. De acordo com ele, o jogo não busca “monetização”.

Conforme explica o executivo, o foco de RDR 2 não é um formato episódico, ou o modelo “jogos como serviço”, como ocorre com Rocket League e Rainbow Six-Siege, por exemplo. O objetivo da empresa com o título é cativar os jogadores com o melhor que a companhia pode oferecer.

Tudo funciona quando fornecemos o melhor, e continuamos a oferecer mais do melhor para manter os consumidores engajados. Como resultado, naturalmente, o retorno financeiro aparece

Não queremos um caça-níqueis

Isso não quer dizer, contudo, que a Take-Two não esteja visando lucros. Com o modo online de RDR 2 a caminho, o alvo é cativar os jogadores após o lançamento inicial. “Ainda não conversamos sobre qualquer tipo de monetização. Nosso principal foco é manter os jogadores engajados“.

Ao que tudo indica, o jogo pode seguir os mesmos caminhos de GTA V Online. O título já vendeu cerca de 95 milhões de cópias, e tem sido uma fonte de renda recorrente, com lucros recordes ano após ano. Tanto que aqueles que adquirirem RDR 2 receberão recompensas em dinheiro para GTA Online.

Não desenvolvemos uma máquina de caça-níqueis (em GTA V). Nós fizemos o melhor jogo possível, e como resultado, os jogadores ficaram mais que felizes em pagar por ele, e continuar pagando por ele“, ressalta Zelnick.

“Não há razão para assumir que os jogadores perderam o interesse no single-player, se esse modo é bom. Não há razão para acreditar que você pode criar um serviço (para vender), se esse serviço não é bom. Esmiuçando o assunto, minha preocupação é o que o modelo ‘jogos como serviço’ saíram do foco”.

Red Dead Redemption 2 chega ao PlayStation 4 (e outras plataformas) em 26 de outubro.