Apesar de The Last of Us Part 2 ter recebido um trailer de jogabilidade durante a E3, alguns detalhes sobre a trama do game ainda são um mistério.

No entanto, uma entrevista do site GamesRadar com Kurt Margenau e Anthony Newman, co-diretores do jogo, revela muitas coisas nova sobre a história e os papéis de Ellie e Joel.

Você se lembra da tatuagem no braço da protagonista? Então, ela não tem um propósito estético, apenas. O desenho recobre e esconde a cicatriz da mordida de clicker que Ellie sofreu no passado para que ninguém descubra que ela é imune ao Cordyceps. Esta é provavelmente uma medida de proteção dela contra os Vagalumes, que talvez não tenham deixado de procurá-la para obter uma cura.

Aliás, por falar na desejada cura, esta continua a ser um grande tema no game. Margenau destacou, com relação à esta questão, que “os eventos do primeiro jogo definitivamente estão influenciando o que acontece neste”. Parece que Ellie e Joel não se livraram dos Vagalumes, mesmo após 5 anos dos eventos do primeiro game.

Margenau e Newman também contaram que a ausência de Joel da divulgação de The Last of Us Part 2 é intencional. A Naughty Dog estaria evitando mostrar muito da história principal do jogo para não comprometer a experiência dos jogadores. Margenau também falou que todas as perguntas que todo mundo faz sobre os acontecimentos do primeiro jogo seriam respondidas enquanto nós mergulhássemos na história do segundo. O co-diretor afirmou que a relação entre Joel e Ellie é uma parte muito importante deste game.

Ainda que Ellie e Joel estejam vivendo em um local calmo e tranquilo (aparentemente) em Jackson, o relacionamento dos dois está abalado. “A repercussão das ações de Joel é algo que certamente será abordado neste jogo”, disseram os co-diretores.

“Vamos ver o que Ellie aprendeu com Joel, os valores de Joel que ela rejeita e como Ellie pode ter relacionamentos com pessoas da sua idade (…) Definitivamente, veremos a evolução da relação entre eles”.

O nome do grupo que caça Ellie e as mulheres do trailer da Paris Game Week do ano passado é chamado “Seraphites” (algo como os “Serafins” em uma tradução literal). Os co-diretors de The Last of Us Part 2 explicam que, como o mundo se tornou muito hostil, uma série de facções de pessoas encontraram diferentes formas de sobreviverem fora das zonas de quarentena.

Os Seraphites são um grupo fanático, que centraliza sua vida em torno da fé e da espiritualidade de uma forma que se tornou violenta e agressiva a pessoas de fora. Eles são bastante mortais e se comunicam através de apitos para não revelar a estratégia de ataque do grupo. A forma como eles se referem a Ellie no trailer (Wolf) tem uma importância para a história, que será revelada posteriormente.

Ainda que os inimigos sejam cruéis e mortais, a Naughty Dog fez o possível para que eles parecessem pessoas reais – para gerar empatia no jogador: “Eles se chamam pelos próprios nomes, tem seus próprios rituais e coisas que eles fazem, e cada lado dessas facções que existem nesse mundo tem suas próprias motivações… não há preto e branco, certo ou errado”.

The Last of Us Part 2 ainda está em desenvolvimento pela Naughty Dog e não possui data de lançamento confirmada.