Mês passado, às vésperas da E3 2018, o CEO da Ubisoft, Yves Guillemot, declarou que acreditava que os consoles, como os conhecemos hoje, estavam com os dias contados. O motivo seria a adesão das grandes empresas ao sistema de streaming de jogos.

A grande vantagem do sistema seria transformar a jogatina em um serviço sem amarras de desenvolvimento de hardware. As “gerações” de consoles domésticos não seriam mais um problema para os estúdios.

Em uma matéria especial, o Kotaku destacou a opinião de outros grandes nomes da indústria sobre o streaming de jogos no futuro. Ao que tudo indica, muita gente concorda com Guillemot, incluindo Todd Howard, da Bethesda, e Phill Spencer, da Xbox.

Yves Guillemot, CEO da Ubisoft:

“Vamos ver mais jogos  AAA em uma variedade mais amplas de tela – é uma grande tendência e que irá continuar a mudar a indústria (…) Hoje temos 200 milhões de jogadores nos consoles e dois bilhões de jogadores no mundo inteiro. Os jogos criados para essas 200 milhões de máquinas em breve serão acessíveis para os 2 bilhões. Eu acredito que em 10 anos vamos ter 5 bilhões de pessoas com acesso aos jogos que criamos”.

Todd Howard, diretor e produtor executivo da Bethesda:

“Acho que a tecnologia de streaming está realmente a caminho e vai tornar o acesso das pessoas aos jogos infinitamente mais fácil. Você viu isso acontecer com músicas e filmes, e definitivamente vai acontecer com jogos também e eu acho algo ótimo”.

Phil Spencer, chefe da divisão Xbox da Microsoft:

“Nosso foco está em levar jogos com qualidade de console que você vê na TV ou PC para qualquer dispositivo. Nossa esperança é que isso vai trazer novos consumidores e engajamento também. Eu quero ver os criadores de jogos que eu conheço criando grandes jogos imersivos e eu quero ser uma plataforma que permita que estes criadores alcancem 2 bilhões de pessoas (…) Este é o nosso objetivo: levar experiências de alta qualidade para todos os dispositivos possíveis no planeta… acho que todos nós pensamos em como vamos fazer a indústria de games crescer, sem criar decisões arbitrárias sobre qual console você compra ou qual rede você faz parte. Deveríamos estar tentando garantir que estamos todos indo na mesma direção”.

Apesar das falas positivas com relação ao streaming, há uma grande barreira para a implementação da tecnologia: a qualidade de internet em diversas partes do mundo. Grande parte de nós, brasileiros, ficaríamos de fora de um sistema de streaming de jogos por conta desta questão crucial para o bom funcionamento do serviço.

O Kotaku também aponta outra questão. As comunidades de jogadores parecem bastante resistente a novidades e mudanças radicais, além de serem fiéis aos seus consoles: “Milhares de pessoas se vêem como fãs de PlayStation, Nintendo ou Xbox mais do que se vêem como fãs de jogos. A identidade de um console é fortemente interligada aos jogos que você pode jogar naquele dispositivo”.

Você acha que esta mudança é possível? Os consoles estão mesmo com os dias contados? Como Sony, Microsoft e Nintendo estariam se preparando para esse possível cenário do futuro?